16 de fevereiro de 2021

Produção em escala artesanal x industrial

A tecnologia de produção define o método de produção dos bens, seja a produção em escala industrial ou artesanal. Os produtos podem ser similares, mas o método de produção pode ser diferente em função da maneira como serão produzidos (padronização de processos e ingredientes)  e da quantidade desejada. 

O pequeno volume de produção significa organização simples e baixa padronização de processo. Já a produção em larga escala, grandes volumes, requer uma organização complexa, padronização de alto nível de processo e produto, além de máquinas especiais, que tornam a alta produção economicamente viável.

Entre os métodos de produção, os mais conhecidos são os que se fundamentam em fatores relativos ao grau de padronização dos produtos, ao tipo de operação e à natureza dos produtos.

 

Produção artesanal

A produção artesanal refere-se a produtos produzidos por artesãos, com trabalho totalmente manual ou com o auxílio de ferramentas manuais e/ou mecânicas, mas a premissa é que a operação manual direta pelo artesão é a parte mais importante do produto acabado. 

No artesanato, cada obra é única, e cada obra tem sua particularidade, valor simbólico e cultural. Este é um trabalho original e criativo. 

A produção artesanal não deve ser confundida com simplicidade, pois esses produtos podem ser complexos, produzido por mão de obra especializada e experimentada.

Características da produção artesanal:

  • Mão-de-obra habilidosa, a qual normalmente se desenvolve a partir do estágio de aprendiz;
  • Utilização de máquinas de uso geral, que fazem operações básicas;
  • Volume de produção unitário ou muito baixo;
  • Não padronização de produtos e falta de um sistema de mediação comum;
  • Alto custo de produção.

Por outro lado, a indústria é um misto de produtos industriais e artesanais, e não possui todos esses valores agregados. Sem contar, que por ser mais barato, ainda ocupa espaço nas gôndolas dos produtos artesanais.

 

Produção em escala industrial

   O processo industrial foi criado para agilizar a produção das mercadorias, pois cada setor em uma indústria é responsável por executar uma função específica na montagem de um produto. Não existe um trabalho artesanal, existe um processo de montagem, chamado linha de produção.

Na produção em escala industrial, os processos são previamente estudados e padronizados para permitir que os profissionais que executam o processo usem o mínimo de habilidade e energia possível, possibilitando o uso de mão de obra pouco especializada, na maioria das atividades produtivas. 

Além disso há a padronização de matérias-primas, aquisição destas em grandes quantidades,  e a utilização de máquinas com grande potencial produtivo, que permite a minimização dos custos do produto.

Nesse processo, além do layout adequado (layout físico), a estação de trabalho também pode ser projetada cuidadosamente para uma única operação por meio de equipamentos auxiliares, equipamentos, ferramentas, pesquisas e processos padronizados. O único objetivo de tudo isso é montar componentes específicos em estações de produção específicas. 

Visto que operadores qualificados podem ser facilmente substituídos por operadores sem conhecimento ou experiência anterior, necessitando apenas de treinamento rápido para realizar funções de montagem repetitivas e simplificadas, os custos de mão de obra também acabam sendo bastante reduzidos.

Os motivos que fazem a escala industrial ser a mais utilizada e responsável pela disponibilidade de produtos dos mais variados, se destacam :

  • Fabricação intermitente realizada em lotes com a montagem, na maioria das vezes, sequenciais e em linha;
  • Exigência de mão de obra pouco habilidosa, treinada para a execução de tarefas repetitivas;
  • Padronização das tarefas e dos processos;
  • Padronização da matéria-prima;
  • Estudos de tempo e de métodos para cada micromovimento;
  • Separação dos que pensam daqueles que fazem;
  • Altos volumes de estoques;
  • Grandes lotes de fabricação;
  • Organização com setores de apoio à produção;

A redução dos custos na fabricação de produtos de consumo, que se tornaram acessíveis à grande maioria da população, trouxe novos costumes e conforto para todos. 

Por um lado, o trabalhador, que antes era um artesão e podia orgulhar-se de seu trabalho, passou a fazer apenas uma pequena parte deste, e isso de forma repetitiva e monótona, sem necessidade de habilidade ou de conhecimento, ou seja, passando a ser um componente do sistema produtivo.

Por outro lado, este modo de produção deu acesso à produtos, inclusive alimentos, para uma boa parte da população que não podiam pagar por eles. 

Seria justo e seguro promover a segurança alimentar de uma boa parte da população mundial, aumentando o preço dos alimentos?

O consumidor está preparado para pagar mais pelos seus alimentos?

 

Edvan de Oliveira Silva – Estudante do curso de Engenharia dos Alimentos da UFAPE, estagiário Verakis.

Saiba mais

Se você quer conhecer mais sobre a produção industrial e tecnologia de alimentos, venha participar do programa de visitas técnicas Verakis, que consta de 10 a 12 experiências/ vivências em locais onde se trabalha e realiza projetos com foco na gestão, qualidade e tecnologia de alimentos.

A visita técnica Alimentação, Tecnologia e Qualidade de Alimentos no Porto – Portugal está programada para 11 a 17 de julho de 2021.

Informações e inscrições: verakisbr@verakis.com

 

Imagem : akshayapatra