26 de janeiro de 2021

FoodTech mais forte do que nunca na Europa

Apesar do contexto social e econômico, o setor FoodTech como um todo floresceu no caminho de um novo ano que ainda pode revelar muitos novos desafios de acordo com a DigitalFoodLab, cuja previsão para 2021 está abaixo.

1. As startups ligadas à produção e distribuição de alimentos de origem vegetal devem continuar crescendo.

Espera-se ver mais cadeias de fast food fechando negócios com empresas fornecedoras de alimentos substitutos de carne, à medida que se lance também novos laticínios e produtos de peixe.

O consumidor exigirá cada vez mais um produto saboroso, com um mínimo de processamento.

2.Espera-se também o aumento da criação das novas startups se aventurando no setor de suplementos dietéticos, mas também de equipamentos e serviços que permitem aos consumidores compreenderem e agirem sobre sua alimentação.

Nosso desejo seria ver ofertas confiáveis ​​de suplementos dietéticos personalizados com base em dados (como genoma, níveis de atividade monitorados por seu relógio) e ciência – DigitalFoodLab.

3. Grandes empresas anunciam que estão prestes a lançar novos produtos baseados em componentes de fermentação de precisão, como os que permitem a “recriação” de proteínas animais e os que criam novos tipos de proteína micelial.

“Nosso desejo seria ver avançar os argumentos a favor da fermentação de precisão na Europa.”

4. Os negócios de entrega de alimentos continuarão a crescer em toda a Europa, com o aparecimento de novos negócios, e empresas de entrega de restaurantes mais maduras.

À medida que vemos mais e mais startups se aventurando nesta área, gostaríamos que fossem mais inovadores na gestão de embalagens (ou seja, menos embalagens de uso único e de plástico)

5. O investimento de empresas de cozinha digital deve aumentar.

Aprenda também sobre a digitalização no setor dos alimentos

6. Processadores de alimentos totalmente autônomos farão sua estreia. Serão principalmente quiosques em refeitórios da empresa, supermercados e alguns restaurantes.

7. Continuaremos a falar sobre carne” limpa” (alguns vão querer proibi-la antes de experimentá-la), o dinheiro continuará a fluir para o setor, mas não espera-se ver este tipo de produtos em restaurantes ou nas prateleiras da Europa .

8. O ecossistema European FoodTech será mais forte do que nunca.

Novos empreendedores (muitos deles começaram a pensar em criar uma start-up de alimentos durante o primeiro confinamento) começarão a pensar grande.

Com a pandemia de Covid-19 o desenvolvimento de negócios no setor de alimentos aliados à tecnologia estão cada vez mais promissores.

Imagem:  UA-pro

Quer saber mais sobre FoodTech e o Digital no setor dos alimentos?

Oportunidade única de contato com profissional europeia especialista em e-commerce: Inscreva-se: Alimentos e negócios digitais: uma visão de futuro

Como comunicar sobre alimentação pela internet? Esteja capacitado para atuar neste universo digital com o curso “A Comida ponto com”.

Quero saber mais