23 de julho de 2020

França age para criar uma “Cadeia Alimentar Sustentável”

O grupo de cooperação agrícola francês elaborou 4 eixos estratégicos, com 30 medidas, para o futuro plano de recuperação do governo francês,  para o enfrentamento da crise pós-Covid-19, o posicionamento da França junto a Uniéao Europeia no âmbito da Política Agrícola Comum (PAC) e o Pacto Ecológico.

A Cooperação Agrícola é a representação unificada das cooperativas francesas agrícolas, agroalimentares, agroindustriais e florestais e està estruturada em torno do setor animal(setores de bovinos, ovinos, suínos, aves e nutrição animal), um do setor  vegetal (negócios de grãos e desidratação de alfafa), bem como a a « Cooperação agrícola leiteira e dos produtores de vinho.

Esses departamentos de negócios são apoiados por um departamento de “Cadeia Alimentar Sustentável”, responsável por questões transversais e agroalimentares, além de departamentos e serviços funcionais (assuntos legais e tributários, assuntos sociais, influência e comunicação, etc.).

Essa nova estratégia, proposta pela «Cooperação Agrícola », tem como objetivo incentivar a contrução da  “soberania agroecológica dos alimentos” para a França e a UE no século XXI : “restaurando nossas capacidades essenciais de produção agrícola e agroalimentar, e recuperando quotas de mercado internacionais, acelerando a transição agroecológica e a adaptação às mudanças climáticas, financiando estruturalmente os operadores do mundo agrícola para que essa transição agroecológica seja bem-sucedida em toda a cadeia alimentar, fornecendo à sociedade francesa uma produção saudável, sustentável e acessível ”. Esses quatro eixos estratégicos incluem propostas para o futuro do modelo agrícola e agroalimentar francês, a serem incluídas nas próximas reformas e negociações europeias e internacionais lideradas pela França”, explicou o Presidente da Cooperação Agrícola .

O primeiro eixo estratégico propõe o fortalecimento de um modelo agroalimentar competitivo em todos os mercados para restaurar a soberania alimentar francesa e europeia, e acabar com distorções de concorrência sanitária, ambiental e social entre a França, a Europa e países terceiros.

O segundo eixo propões utilizar os pontos fortes do modelo cooperativo para fortalecer a estruturação de cadeias de suprimentos e acelerar a transição agroecológica do campo à mesa nos territórios europeus, e fortalecer as cooperativas em seus funções de estruturação dos setores e apoio às transições em resposta às expectativas da sociedade francesa e europei.

O terceiro eixo trata do financiamento da  descarbonização e das transições agroecológicas do produtor ao consumidor.

E quarto eixo aborda a questão da promoção da « produção francesa »  para a alimentação saudável ​​e sustentável, ​​acessível a todos os consumidores europeus, e a serviço do desenvolvimento territorial.

A crise sanitária causada pela Covid-19, e que dificultou bastante o suprimento de alimentos em cada país europeu, e dentro da União Europeia, parece que além de ter suscitado muitas reflexões e debates sobre a perda da autonomia e soberania alimentar na Europa, motivou o setor agrícola para desenvolver ações concretas para evitar que os países continuem dependentes de outros, uns mais perto outros mais longe, para alimentar suas populações.

O que pode também ser muito interessante nestas conscientizações e ações, é a valorização que o setor primário possa vir a ter tambem. Aguardemos!

 

 

Fonte: www.lacooperationagricole.coop

Foto: Free-Photos