1 de June de 2020

Como vamos comer depois da Pandemia?

A Covid-19 apresenta, como não poderia ser de outra forma, uma geometria poliédrica que nos permite diferentes abordagens. Hoje me refiro às tendências gastronômicas observadas durante a pandemia, e questiono se elas são perenes.

A principal tendência observada foi o crescimento das compras on-line, principalmente de produtos saudáveis ​​e de comerciantes locais. Muitos especialistas previram esses novos hábitos que a Covid-19 avançou significativamente. O crescimento nos primeiros 45 dias foi, de acordo com a Nielsen, de mais de 75%, um aumento de mais de 50% na entrega de encomendas.

A questão subjacente, entre os especialistas, é se esse modelo vai durar e se isso significará uma mudança no modelo de negócios das Pequenas e Médias Empresas (PMEs), tanto no setor de produção quanto no de distribuição.

Adotaremos uma alimentação mais saudável, com produtos mais saudáveis ?

Nos tornaremos consumidores mais ativos também na busca por um produto mais sustentável?

Receitas compartilhadas em redes sociais digitais e a recuperação de receitas familiares obrigou as empresas a repensarem, de acordo com o estudo Fooduristic, a alimentação como um ato de solidariedade em apoio ao tecido econômico local.

Muitos produtores locais começaram a comercializar on-line partindo do zero. O mercado dos correios espanhol (Correos) já oferece mais de 3.000 produtos de 400 produtores, com entregas por toda a Espanha, sem nenhum custo adicional para produtores ou consumidores. Ao que se acrescenta o crescimento de plataformas de comércio eletrônico, que agrupam produtores independentes.

Outra tendência a ser destacada na entrega de alimentos pelos correios é a compra de alimentos frescos e locais para aqueles que cozinham, e encomendas de qualidade aos teletrabalhadores: uma entrega qualificada de comida. Possivelmente haverá um crescimento adicional de eletrodomésticos para facilitar a confecção das refeições em casa, com o cozimento rápido e de qualidade.

Outra opção observada é a de clicar e coletar, comprar on-line e pegar na loja; serviço que multiplicou seu faturamento por cinco em relação a 2019. Os grandes chefs estão entrando nessa dinâmica com força e entusiasmo e forçarão muitos a repensar seu modelo de negócios. 

Será que estes movimentos vão perdurar?

Alberto Berga Monge – Madrid, 01 de Junho de 2020.

O Prof. Dr. Alberto Berga Monge, é médico veterinário espanhol, professor e colaborador Verakis, professor colaborador da Universidade de Zaragoza, auditor da União Europeia e diretor da AMB Consulting, e vai ser um dos correspondentes Verakis para acompanhar a evolução do setor dos alimentos durante o desconfinamento europeu.