22 de May de 2020

Carta manifesto para proteção do setor dos restaurantes na França

Olivier Bertrand, Presidente Fundador do Grupo Bertrand, com o apoio e assinatura de atores do setor dos restaurantes, enviou uma carta aberta ao Presidente da República e ministros franceses. Nesta carta Olivier Bertrand lista medidas concretas para proteger parte do setor dos restaurantes, e afirma que 25% das empresas do setor não suportarão a crise atual.

 

Segue a tradução da carta manifesto:

 

“Desde 14 de março de 2020, o setor dos restaurantes está parado. Por quase dois meses mais de um milhão de funcionários em nosso setor estão desempregados, um bilhão de refeições não foram servidas, 4,5 bilhões de euros em matérias-primas não foram vendidos, 13 bilhões de faturamento foram perdidos.

 Primeiro queremos dizer OBRIGADO. Obrigado por tomar medidas imediatas e eficazes, como trabalho de curta duração e empréstimos garantidos pelo Estado, para nos manter vivos durante esse período fechado. Agora é a hora de pensar no resto. À medida que a hora da reabertura se aproxima, nós, profissionais do ramo de alimentação coletica, queremos alertá-lo sobre os muitos e significativos riscos que nosso comércio terá que enfrentar nos próximos meses.

Porque o mais difícil ainda está por vir.

De fato, receamos que mais de 25% de nós não consiga sobreviver a esta crise a longo prazo, sem um arsenal de MEDIDAS DE EMERGÊNCIA TEMPORÁRIAS, destinadas principalmente para preservar o emprego, mas também para garantir a sobrevivência da população. todos os nossos fornecedores, produtores, agricultores, pescadores, etc. Qualquer que seja a nossa rotatividade ou o número de funcionários que temos, todos estamos enfrentando as mesmas dificuldades de fluxo de caixa, e experimentamos um declínio duradouro em nossa rotatividade, ligada, em particular, a medidas de saúde, ao declínio no poder de compra,e a ausência de turistas em solo francês nos próximos meses.

 Através desta carta, pedimos sua ajuda. Pedimos que você se comprometa conosco, pela sobrevivência de nossos restaurantes com fortes MEDIDAS DE EMERGÊNCIA TEMPORÁRIA:

 Reduzir IVA de 10% para 5,5% por um período temporário, que beneficiará a todos e ajudará a apoiar o consumo.

 Manter o desemprego parcial até o final de 2020, para preservar o emprego e aguardar a retomada da atividade.

Isenção total de encargos do empregador até o final do ano, independente da rotatividade e número de funcionários.

 

 

Somos empreendedores e estamos bem conscientes de que não podemos esperar tudo do Estado. É por isso que, além dessas MEDIDAS TEMPORÁRIAS DE EMERGÊNCIA, também devemos pedir aos nossos parceiros doadores e seguradores que também mostrem solidariedade e responsabilidade com os restauradores, para ajudar todo o ecossistema dos negócios de restauração.

 Precisamos do seu apoio para solicitar aos doadores:

 – Cancelamento de aluguéis e encargos durante o período de fechamento para todos os restauradores (sem limite de rotatividade e número de funcionários);

 – Suporte até o final de 2020 com um ajuste do valor do aluguel de acordo com a atividade real;

 – Também precisamos do seu apoio para chegar a um consenso com todas as seguradoras que permita uma compensação decente.

 Como o senhor já deve ter entendido, nosso problema hoje não é mais saber QUANDO vamos abrir, mas saber COMO vamos abrir e, acima de tudo, COMO seremos capazes de sobreviver a esta crise sem precedentes a longo prazo.

 Por favor, aceite, Ilustrissimo Presidente da República, Primeiro Ministro, Ministros, Ministros Honorários e Secretários de Estado, a expressão de nossa mais alta consideração.”

 _____

 

Ajude!

Link para petição

 

_____

Texto traduzido do site Atabula, em 22 de maio de 2020. Originalmente escrito por FRANCK PINAY-RABAROUST em 12 de maio de 2020.

 

Imagem de JamesDeMers por Pixabay