26 de maio de 2021

Tratamento da Covid-19 persistente

Diferentes sociedades médicas prepararam o “guia clínico para o atendimento ao paciente longcovid” onde alertam para as dificuldades de diagnosticar e tratar esses pacientes covidosos persistentes que ficaram fora do radar da pandemia.

O objetivo do guia é alcançar uma resposta de saúde adequada, com maior coordenação entre os profissionais e com “um modelo de consulta colaborativa”. Deve-se evitar a peregrinação do paciente com mais de duzentos sintomas e que se submete continuamente a exames.

O Guia apresentado às autoridades médicas pretende obviamente que possam ser aplicadas políticas homogêneas em relação a esta doença, reconhecida pela OMS mas que actualmente não dispõe de estratégias comuns de intervenção ou de informação registrada para avançar no seu conhecimento.

Estima-se 10% que tiveram Covid-19 apresentam sintomas diversos e oscilantes ao longo do tempo, desencadeados após a infecção, por mais de 3 meses.  Não são propriamente sequelas de órgãos afetados por contágio, mas são como névoa mental, as mais comuns, dores de cabeça, anosmia, depressão e ansiedade, em pessoas previamente saudáveis.

Os médicos coletaram até 200 sintomas diferentes com um estigma que os liga a quem sofre de fadiga crônica.

Em geral, a doença atinge mulheres, em idade intermediária, entre 35 e 45 anos, embora também sejam encontradas em outras faixas etárias, incluindo crianças e adolescentes, para as quais unidades especiais pediátricas estão sendo criadas em algumas cidades. Os sintomas em crianças podem ser ocultados dos olhos das famílias que atribuem as manifestações de fadiga à desmotivação.

O guia tenta unificar os critérios de saúde e cuidados, de qualquer especialidade, com base nas evidências científicas e na experiência disponível, por isso será atualizado, ontem o Comissário para a Saúde da Comissão Europeia destacou a necessidade de investigar as terapias.

Na apresentação da Estratégia Terapêutica para a Covid-19, sublinhei que é “provável” que ela se torne uma doença endémica e que “muitas pessoas sofrem de uma doença cohecida como Covid persistente”, pelo que o objetivo é “tratar a doença, não apenas vacinar ”.

 

Alberto Berga Monge – Madrid, 26 de maio de 2021.

O Prof. Dr. Alberto Berga Monge é médico veterinário espanhol, professor e colaborador Verakis, professor colaborador da Universidade de Zaragoza, auditor da União Europeia e diretor da AMB Consulting, e escreve para o blog da Verakis.

 

Guia Clínico para o tratamento da Covid-19 persistente :  http://semg.es/images/2021/Documentos/GUIA_CLINICA_COVID_Persistent_20210501_version_final.pdf