14 de julho de 2021

PANDEMIA E WHATSAPP

Uma investigação realizada na Universidade de Córdoba “Pandemia e pós-verdade, o impacto do COVID-19 na comunicação do WhatsApp”. Esse estudo analisa, na Espanha, de forma crítica,  um corpus de 800 memes típicos dos discursos digitais que circularam no WhatsApp. De uma perspectiva linguística e semiótica identificou-se diferentes comportamentos.

Nesses memes analisa-se o aparecimento, a resposta e as consequências sociais derivadas da pandemia durante as diferentes fases do estado de alarme.

Tendo em vista que os conteúdos são disseminados com rapidez e pouca reflexão, os autores acreditam que isso os torna muito relevantes para o estudo dos comportamentos sociais que os usos linguísticos revelam.

Por se tratarem de unidades multimodais, cuja finalidade é a fácil acessibilidade e captação de interesses por meio de elementos verbais e gráficos, os autores consideram útil realizar um estudo da intenção comunicativa e dos efeitos cognitivos pretendidos com base na teoria da relevância.

Sendo que a linguagem é uma expressão e um veículo de comportamentos sociais, a abordagem linguístico-semiótica realizada revelou quatro grandes grupos de tendências refletidas no corpus:

  • comportamentos vingativos e críticos (45%)
  • emocionais (40%)
  • lúdicos (11% )
  • falsificadores versus defensores da verdade (3,6%)

Significativamente, as mensagens mais solidárias e empáticas (emocionais e lúdicas) são equiparadas em número às mensagens mais desestabilizadoras.

A frequência na distribuição dos memes pelo WhatsApp, principalmente os emocionais, diminuiu com a evolução do estado de alarme, à medida que as relações sociais se recuperaram, no auge da desaceleração, destacaram-se os memes críticos e no final do estado de alarme aumentaram as mensagens de alarme de críticas políticas.

As mensagens falsificadoras contra os defensores da verdade permaneceram em vigor durante toda a vida do estado de alarme, que, embora em número reduzido (3,6%), têm impacto nos destinatários e seus efeitos sociais e cognitivos são mais abrangentes (…).

Na era pós-verdade, é necessário desenvolver um espírito crítico, ainda mais quando o que está em jogo é a saúde das pessoas em grave situação de pandemia.

 

Alberto Berga Monge – Madrid, 23 de junho de 2021.

O Prof. Dr. Alberto Berga Monge é médico veterinário espanhol, professor e colaborador Verakis, professor colaborador da Universidade de Zaragoza, auditor da União Europeia e diretor da AMB Consulting, e escreve para o blog da Verakis.

 

Fonte: https://revistaprismasocial.es/article/view/3892/4542

 

Imagem: Ian Dyball