24 de June de 2020

Outros e outras virão?

Para onde quer que os cientistas olhem, os vírus são descobertos, nas rochas, na água ou no corpo humano e, segundo alguns pesquisadores, 90% podem ser considerados desconhecidos.

A virologia é uma ciência jovem, do final do século XVIII, iniciada com as catástrofes agrícolas: o vírus do mosaico, do tabaco.

Os Vírus

Os vírus foram definidos pelo que eram, nem animais, nem plantas, nem fungos, nem bactérias, dizer o que eram estava fora do conhecimento humano. Em 1923 afirmou-se sobre os vírus que “é impossível definir a sua natureza”.

Essa confusão começou a ser esclarecida com os trabalhos de Stanley tentando fabricar cristais a partir de vírus, para os quais ele estudou o vírus do mosaico do tabaco mencionado acima.[1]

Posteriormente se descubrió que un 95% era proteína y el 5% ácido nucleico que más tarde se descubrió que formaba parte del material genético conteniendo las instrucciones para la formación de proteínas y otras moléculas,

Depois descobriu-se que 95% eram proteínas e 5% ácido nucléico, que mais tarde foram descobertos como parte do material genético que contém as instruções para a formação de proteínas e outras moléculas,

Quatro anos depois os vírus puderam ser observados individualmente, a nova microscopia permitiu observar estruturas de cerca de 300 nanômetros, foi a menor observada.

Nas décadas posteriores sua geografia molecular foi mapeada. Os virologistas descobriram que sua configuração básica era uma concha de proteína que continha uma carga genética, descobrindo que eles poderiam se replicar apropriando-se de outras formas de vida.

Uma célula infectante gerou, em um dia, mil vírus.

Em grande quantidade …

O número esmagador de vírus que vagam pela Terra não era conhecido, nem se sabia ainda que eles continham grande parte da diversidade genética da vida. Segundo a Universidade Californiana de Davis, haveria mais de 1.600.000 vírus que ainda não conhecemos, dos quais se estima que entre 650.000 e 850.000 tenham capacidade de infectar e causar doenças em seres humanos e potencialmente pandemias.

Não se imaginava que o genoma humano é parcialmente composto por milhões de vírus que já infectaram nossos ancestrais. Agora sabemos, ou melhor, estamos cientes de que estamos em um planeta de vírus.

Marc Valitutto[2], é veterinário, mas seu trabalho é o de “caçador de vírus” tentando identificar novos vírus em morcegos, roedores e primatas portadores de patógenos antes de entrarem na população humana. Ele afirma que, no século passado, quase 60% das doenças infecciosas que afetaram nossa espécie vieram de animais e 75% delas da vida selvagem.

A partir dos vírus encontrados por esses caçadores, um mapa genético foi elaborado e colocado em um banco de dados internacional, sua similaridade com alguns patógenos anteriores é observada e o risco potencial para as sociedades humanas está sendo avaliado.

Apesar disso, a idéia de que você pode prever onde novos vírus aparecerão ou onde surgirão novos surtos é, para muitos, errada.

Em 1977, Jean e Peter Medawar definiram, graficamente, vírus no New York Times: “um conjunto de más notícias envolvidas em proteínas”.

Alberto Berga Monge – Madrid, 24 de Junho de 2020.

O Prof. Dr. Alberto Berga Monge, é médico veterinário espanhol, professor e colaborador Verakis, professor colaborador da Universidade de Zaragoza, auditor da União Europeia e diretor da AMB Consulting, e é dos correspondentes Verakis para acompanhar a evolução do setor dos alimentos durante o desconfinamento europeu.

[1] Wendell Meredith Stanley (Ridgeville, 16 de agosto de 1904 — Salamanca, 15 de junho de 1971) foi um bioquímico e virologista americano, pesquisador das proteínas)

[2] https://scholar.google.com/citations?user=h8lU7YgAAAAJ&hl=en

https://conservationnation.org/marc-valitutto/

 

 

Foto : guvo59