25 de maio de 2021

O desperdício de alimentos no Brasil

Nas famílias brasileiras o desperdício acontece pela falta de planejamento das refeições, onde se perde o alimento por guardá-lo de forma errada, ou ainda fazer mais comida no dia-a-dia do que o necessário. Em média, cada brasileiro desperdiça 41,6 kg de alimentos por ano.

O Brasil é um dos 10 países que mais desperdiçam alimentos  no mundo, segundo dados da  Food and Agriculture Organization the United Nations (2015) desperdiçando cerca de 35% da sua produção anualmente.

O desperdício de alimentos, como explica  Freire Junior e Soares (2017),  começa a partir do momento em que alimentos ainda bons para o consumo são descartados por serem feios ou deformados. 

Existem na Câmara dos Deputados 20 projetos em trâmite de lei para a doação de alimentos, mas que estão há muito tempo parados, isso apenas evidencia o descaso e a falta de interesse na pauta de desperdícios de alimentos, visto que essas leis poderiam ajudar na mudança do cenário de desperdício de alimentos no Brasil.

Considerando o momento pelo qual o  país está passando, no auge da pandemia da Covid-19, onde muitas pessoas perderam seus empregos, uma pesquisa publicada em 05/04/2021 pela Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Rede Pensann), mostra que atualmente 116,8 milhões de brasileiros se encontram em situação de insegurança alimentar, isto é, não têm certeza se terão comida para o próximo dia, tiveram que diminuir a quantidade e a qualidade dos alimentos e/ou estão passando fome.

Esta situação nos faz questionar o motivo de tanto alimento ser jogado no lixo, enquanto milhares de pessoas estão sem ter o que comer ou comendo sem ter a certeza e a segurança de que está ingerindo um alimento de qualidade.

Para isso deve-se ir na raiz do assunto, começando com iniciativas governamentais de conscientização nas casas das famílias brasileiras, mostrando, com dados, o mal causado pelo desperdício, além de ser muito importante que as leis em trâmite sejam sancionadas, com o intuito de gestionar a doação de alimentos por parte de produtores, donos de restaurantes e supermercados, feirantes, dentre outros. 

Não é aceitável que no cenário no qual o país está inserido, sejam desperdiçados toneladas de comida por dia, enquanto o número de brasileiros passando fome está aumentando diariamente. A mudança é urgente.

 

Texto: Agnes Diniz Gomes de Jesus

Curadoria e edição de texto: Paula de Oliveira Feliciano

Edição/popularização científica: Juliana T. Grazini dos Santos

 

 

Agnes Diniz Gomes de Jesus é aluna do curso de graduação em Tecnologia em Gastronomia do Centro Universitário Senac Campos do Jordão e escreveu esse texto como uma atividade da matéria Estudos Contemporâneos de Gastronomia. A publicação integra proposta de aprendizado sobre popularização e difusão científica das ciências dos alimentos e alimentação da Fundação Verakis com o Centro Universitário Senac Campos do Jordão.

Paula de Oliveira Feliciano é mestra em Culturas e Identidades Brasileiras pelo IEB/USP, graduada em Gastronomia e pós-graduada em Docência para o Ensino Superior. Atua como chefe de Projetos Verakis Brasil e como professora nos cursos de graduação e pós-graduação em Gastronomia no Centro Universitário Senac Campos do Jordão. Em 2018, passou pelo programa de estágio da Fundació Alícia/Espanha, centro de pesquisa em cozinha, sustentabilidade e impacto social. E, em 2019, pelo Observatori d’Alimentació da Universitat de Barcelona (ODELA-UB), acompanhando atividades na linha de pesquisa turismo gastronômico.

Juliana T. Grazini dos Santos – Doutora em Informação e Comunicação/Jornalismo Científico/Popularização Científica pela Universidade de Paris 7(Denis -Diderot), vive há mais de 20 anos na França, onde pesquisa e desenvolve trabalhos de jornalismo científico, popularização da ciência e comunicação nas áreas de alimentos, alimentação e nutrição; presidente da Verakis (França), conceptora e diretora do curso de Especialização em Marketing de Alimentos Verakis (Europa); membro do grupo de estudos de informação ao consumidor do Fundo Francês para Alimentação e Saúde (FFAS) e curadora de cursos na área de alimentos e alimentação na Europa, América Latina e Brasil.

 

Referências

Brasil. Câmara dos Deputados. (2018). Projetos de lei e outras proposições. Brasília. Disponível em: < http://www.camara.leg.br/buscaProposicoesWeb/pesquisaSimplificada > Acesso em maio 2021.

Freire Junior, M., & Soares, A. G. (2017). Redução do desperdício de alimentos. Embrapa. Disponível em: < https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/164602/1/Foler-CGPE-13931.pdf > Acesso em maio 2021.

Food and Agriculture Organization of the United Nations – FAO. (2015). Food wastage footprint & climate change. Rome. Disponível em: < http://www.fao.org/3/a-bb144e.pdf > Acesso em maio 2021.

Rede PENSANN. Insegurança alimentar e Covid-19 no Brasil. Disponível em < http://olheparaafome.com.br/ > Acesso em maio 2021.

SANTOS, Karin Luis.; PANIZZOM, Jenifer; CERCI, Manuela Machado; GRABOVISKI, Gabriel; JAHNO, Vanessa Dalostre. Perdas e desperdícios de alimentos, reflexão sobre o atual cenário brasileiro. Brazilian Journal of Food Technology. Vol.23. Campinas. 2020 Epub Mar 13, 2020. Disponível em: < https://www.scielo.br/pdf/bjft/v23/1981-6723-bjft-23-e2019134.pdf > Acesso em mar 2021.

 

 

Imagem : Alexas_Fotos