16 de November de 2022

Câmbio azul ?

Os frutos do mar parecem, de acordo com o estudo de Bianchi e colaboradores, publicado na Nature, satisfazer as necessidades nutricionais com baixo impacto climático.

O estudo avalia a densidade de nutrientes e as emissões de gases de efeito estufa, dependendo do método de produção.

O maior benefício nutricional com as emissões mais baixas é obtido comendo espécies pelágicas, bem como pescando salmonídeos e bivalves cultivados.

Apesar das grandes diferenças, a maioria das espécies de moluscos denotam mais nutrientes com emissões mais baixas do que os animais terrestres, especialmente “carnes vermelhas”.

Em 2017, os mariscos representaram 17% da ingestão global de proteína animal.

Há, de acordo com os autores do estudo, evidências de que os benefícios para a saúde superam os efeitos negativos dos poluentes ou outros riscos à saúde.

O debate público sobre as dietas do futuro está atualmente amplamente focado na chamada “câmbio verde”, que muda o consumo de alimentos para alimentos à base de plantas, com muito menos atenção a uma possível “câmbio azul”.

É possível substituir a carne pelo peixe como fonte de proteína animal, embora a “graça da dieta” esteja na variedade de consumo.

Embora nem sempre seja o caso, o impacto climático está correlacionado com outras preocupações ambientais e, nesses casos, os esforços de redução de emissões levam a melhorias mais amplas.

Os estudos, vários dos quais revisados ​​na publicação, relatam as emissões por quilo de produto, sem levar em conta a variação do valor nutritivo e função nutricional dos produtos.

No final da tabela de densidade nutricional encontram-se os crustáceos e os peixes brancos, como o bacalhau e a pescada, embora isso não signifique que os separemos da dieta, pois fornecem nutrientes como as vitaminas C e B12.

É mais uma, e importante, contribuição para que a incerteza alimentar knignhtiana desapareça.

 

Alberto Berga Monge – Madrid, 16 de novembro de 2022.

O Prof. Dr. Alberto Berga Monge é médico veterinário espanhol, professor e colaborador Verakis, professor colaborador da Universidade de Zaragoza, auditor da União Europeia e diretor da AMB Consulting, e escreve para o blog da Verakis.

Fonte: https://www.nature.com/articles/s43247-022-00516-4

Imagem: Miriana Stumpf Linck