7 de julho de 2021

LINHAGEM PREOCUPANTE

A saúde ainda não a considera uma linhagem preocupante, mas especialistas acreditam que a variante indiana (chamada “variante delta”) será predominante em algumas semanas. Sua capacidade de contágio é maior do que a cepa britânica majoritária na atualidade. Atualmente, existe o que é chamado de “variante de interesse” uma etapa anterior ao alerta.

É difícil fazer previsões precisas, mas do Reino Unido, onde se espalhou com extrema rapidez, algumas lições podem ser extraídas para poder lidar melhor com as novas mutações do SARS-CoV-2.

No país britânico, a variante da Índia passa em dois meses a ser testemunha para tomar todas as infecções na prática. É a “dinâmica natural da epidemia”: chegam novas variantes e quando uma é mais transmissível que a anterior é substituída, como aconteceu com o alfa. Modelos matemáticos preveem que isso acontecerá na Espanha nas próximas semanas.

Nos Estados Unidos, que declarou a variante delta como “preocupante”, essa representou 0,6% em abril, 1,3% no início de maio e 5,5% hoje. Todos esses dados deixam bem claro que esta variante é altamente transmissível , e é igualmente preocupante que também provoque um maior número de hospitalizações, embora tenhamos de esperar que os números se consolidem. Tudo isso sugere a necessidade de encerrar os ciclos de vacinação, principalmente com a suspensão da AstraZeneca.

No Reino Unido, a variante delta também apresenta sintomas diferentes daqueles associados ao Covid-19. Além de tosse e falta de ar, os pacientes apresentam coriza, algo que não era característico de outras variantes.

A questão, sem uma resposta certa, é se a variante delta representará uma nova onda e se devemos ser cautelosos. Dependeria, em grande medida, de como nos comportaríamos, evitando eventos de supercontágio. Poderíamos sustentar um crescimento suave, mas um rápido seria insustentável com as medidas atuais. Diante desses riscos, alguns países como a Alemanha ou Portugal já estão atuando.

Portanto, como temos repetido, cautela com medidas não farmacológicas é necessária.

 

Alberto Berga Monge – Madrid, 07 de julho de 2021.

O Prof. Dr. Alberto Berga Monge é médico veterinário espanhol, professor e colaborador Verakis, professor colaborador da Universidade de Zaragoza, auditor da União Europeia e diretor da AMB Consulting, e escreve para o blog da Verakis.

Imagem: PublicDomainPictures