30 de setembro de 2020

Lições do desconfinamento em 9 países

A revista científica “The Lancet” publicou recentemente uma análise de um grupo internacional de especialistas sobre as estratégias de desconfinamento que podem esclarecer alguns erros e acertos

 

Os autores incluíram na análise , quatro países europeus e cinco da região da Ásia-Pacífico. Todos eles têm em comum que tomaram medidas restritivas, mais ou menos duras, para tentar controlar a propagação do virus da Conid-19. No entanto, suas estratégias de desconfinamento eram diferentes, e a análise identifica cinco fatores-chave para avaliá-los: conhecimento dos níveis de infecção, compromisso social, capacidade de saúde pública, capacidade do sistema de saúde e medidas de controle de fronteira.

 

De modo geral, os autores identificaram a inexistência de estratégias claras e consistentes para sair das restrições, mas encontraram diferenças marcantes em aspectos específicos. Por exemplo, consideram que a experiência com epidemias anteriores na Ásia e no Pacífico (SARS e MERS) tornou esses países mais preparados para o COVID do que os europeus, não só do ponto de vista do sistema de saúde, mas também da aceitação pública de medidas restritivas, mesmo ao custo de sacrificar direitos pessoais. Por outro lado, as políticas de austeridade econômica enfraqueceram as infra-estruturas de saúde da Europa (eles mencionam especialmente a Espanha e o Reino Unido) nos anos anteriores a esta crise,

 

Existem mais diferenças: o rastreamento e isolamento é um dos aspectos com maior divergência. A maioria dos países asiáticos realizou testes extensivos, rastreando de perto os contatos das pessoas infectadas, e tentou isolar todos os casos leves e graves. Eles fizeram isso desde o início e com tecnologias inovadoras. A Europa tentou emular essa estratégia, mas o fez com considerável atraso, com exceção da Alemanha. Além disso, nos países asiáticos, os casos confirmados são isolados em centros públicos, enquanto na Europa predominam as quarentenas domiciliares.

 

Apesar de os países incluídos neste estudo serem países desenvolvidos com elevados níveis de renda, a resposta ao surto pandêmico tem deixado muito a desejar em alguns casos, com elevado número de casos e óbitos. Portanto, “há uma necessidade urgente de compreender as diferenças contextuais que levaram a resultados tão díspares e de identificar princípios comuns que os governos podem seguir para proteger a população e a economia”, diz um dos autores.

 

A atenção deveria ser maior  nas capacidades estratégicas e nas medidas tomadas para combater a pandemia. O Reino Unido e a Espanha, por exemplo, não tinham as capacidades necessárias para realizar tarefas de rastreamento durante o estado de alarme e, possivelmente, ainda não os tenha.

 

Aliviar as restrições não significa retornar à normalidade pré-pandemia, e os governos devem encontrar estratégias que previnam o rápido crescimento de infecções de uma forma que seja sustentável e aceitável para o público por muitos meses. Fortalecer, financiar e reformar para alcançar os padrões e capacidades de outros países.

 

Acesso ao artigo comentado: https://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736(20)32007-9fulltext

 

 

Foto:  Maria Castellanos