8 de julho de 2020

INTELIGÊNCIA EPIDEMIOLÓGICA PARA O ENFRENTAMENTO DE CRISES SANITÁRIAS

Sabe-se que, no âmbito científico, todo prognóstico tem uma grande margem de erro e requer prudência. As agências de saúde geralmente trabalham com modelos preditivos para cada meio do ano. Isso porque é o tempo necessário para gerar evidências e poder desenvolver vacinas ou tratamentos eficazes disponíveis.

Todos os países foram informados sobre o risco e o que era esperado, para que se preparassem para criar meios e estruturas para enfrentar o que foi prognosticado. Mais uma vez, pensamos que “isso não pode acontecer conosco e saberemos como gerenciá-lo”. Um bom princípio, desde que você não se desvie do objetivo é: prepare-se para os piores cenários. Não é para ser alarmante, mas é necessário um certo nível de alerta.

Com relação as doenças infecciosas insistimos em três princípios: sempre há casos assintomáticos, você deve observar se eles transmitem a infecção, e se você não procurar esses casos, não os encontrará. Esses princípios são ignorados em vários casos. O o pior risco é que se veja apenas os casos graves.

Uma doença infecciosa só pode ser gerenciada com dados confiáveis e esse problema deve ser transformado em uma oportunidade.

Além de outras reformas, é necessária uma reforma dos sistemas de informações epidemiológicas e de saúde, que é um problema sistêmico que deve ser resolvido.Temos hoje tecnologias que nos oferecem informações de qualidade em tempo real,. Antecipar-se, não cansaremos de repeti-lo, o trabalho prévio determina nossa resposta.

A governança da crise sanitaria causada pela Covid-19 não foi boa porque não havia capacidade efetiva real. Mobilizamos os especialistas tarde e possivelmente nos fez falta uma rede de transmissão de informações e dados suficientemente eficiente para a tomada de decisões.

As auditorias técnicas devem colocar em evidência oportunidades de melhoria para a OMS, Europa, Espanha …

Não esqueçamos que as doenças infecciosas continuam sendo a única ameaça sistêmica em termos de saúde global para a humanidade, mesmo sendo quase invisíveis no mundo mais desenvolvido, que enxerga isso como algo distante.

Devemos entender a inteligência epidemiológica como o processo de detecção, filtragem, verificação, análise, avaliação e investigação daqueles acontecimentos ou situações que podem representar uma ameaça à saúde pública, com base em indicadores ou experiências.

 

Alberto Berga Monge – Madrid, 08 de Julho de 2020.

O Prof. Dr. Alberto Berga Monge, é médico veterinário espanhol, professor e colaborador Verakis, professor colaborador da Universidade de Zaragoza, auditor da União Europeia e diretor da AMB Consulting, e é dos correspondentes Verakis para acompanhar a evolução do setor dos alimentos durante o desconfinamento europeu.