6 de janeiro de 2021

Estratégia Zero Covid-19

A estratégia de controle e supressão máxima de transmissão (Covid-O) é também conhecida como “Busca, teste, rastreamento e isolamento com suporte” (BTTAA).

Desenvolvida em países como Coréia do Sul, Taiwan, Cingapura, Vietnã ou Nova Zelândia, a estratégia priorizou uma estrutura de contenção e eliminação do novo coronavírus com base em suas experiências anteriores com a MERS e a SARS.

Como estratégia de saúde pública, a BTTAA diferencia-se daquelas baseadas na imunidade e contenção de grupo, por “achatar a curva” evitando a cronificação da transmissão; uma forma de entender a pandemia, ajudando a prevenir o contágio.

A implementação de uma estratégia BTTAA requer uma estrutura de saúde pública dimensionada, robusta e coordenada, uma estrutura que deve permitir, e garantir a capacidade de desenvolver a estratégia com rapidez, integralidade e suporte.

A velocidade deve nos permitir detectar casos e contatos, prescrever isolamentos e quarentenas, bem como apoiar as pessoas que precisam de isolamento ou quarentena para cortar as cadeias de transmissão. A velocidade também é necessária para monitorar, avaliar e construir confiança em torno da estratégia de saúde pública.

A seriedade e afinco do rastreamento, sabendo onde cada caso foi infectado e, portanto, sabendo onde o vírus circula é muito importante.

A exaustão do rastreamento com pessoas e meios tecnológicos, permite-nos recolher informação sobre o espaço onde estiveram os casos e os seus contatos. Em última análise, indica o estado de controle da epidemia, e facilita a tomada de decisões para alterar o nível de alerta e as ações.

Faz-se também necessário apoios (econômicos, habitacionais, sociais, psicológicos, acesso a alimentos e medicamentos …) que sejam eficazes, abrangentes, diversificados e que garantam o envolvimento dos cidadãos.

É necessário dispor de ferramentas que permitam determinar as necessidades de apoio de forma sistemática, para responder e coordenar políticas, serviços e profissionais que garantam boas condições para a realização de isolamentos e quarentenas.

A estrutura deve ser dimensionada para a carga de trabalho, rapidamente adaptável e escalável de acordo com as necessidades. Por isso, é necessário um programa de escalonamento de recursos humanos, transversal a todos os atores envolvidos na BTTAA.

Uma política de teste é necessária para avaliar e protocolar os diferentes testes disponíveis para otimizar os resultados.

Promover o trabalho em equipe, a comunicação e uma cultura de revisão, avaliação contínua e adaptação à mudança.

Sistemas de informação centralizados e ferramentas de comunicação interna são necessários para garantir o contato fluido entre os envolvidos e permitir a máxima liberação dos serviços de saúde.

Ter uma comunicação aberta baseada em evidências científicas, ser crível, coerente e consistente ao longo do tempo, e ser sensível às necessidades dos diferentes grupos e situações sociais. Ela também deve deve ser empoderadora, facilitar a identificação do risco e a tomada de decisão quotidiana dos cidadãos, quando se trata de construir ambientes e relações seguras que tornem a lógica epidemiológica explícita e compartilhada.

Para a eficácia da estratégia BTTAA, ela deve ser pública e amplamente aceita.

 

Alberto Berga Monge – Madrid, 06 de janeiro de 2021.

O Prof. Dr. Alberto Berga Monge, é médico veterinário espanhol, professor e colaborador Verakis, professor colaborador da Universidade de Zaragoza, auditor da União Europeia e diretor da AMB Consulting, e escreve para o blog da Verakis.