1 de setembro de 2021

DURAÇÃO DAS DEFESAS

Um relatório recente do Centro de Coordenação de Alertas de Saúde e Emergências do Governo espanhol tenta responder a “Quanto tempo duram as defesas que o organismo gera naturalmente após a infecção pelo SARS-CoV-2?”, “Quanto a vacina induz?”. Obviamente, a resposta ainda é desconhecida.

“O curto período de relação do SARS-CoV-2 com os humanos significa que a duração da memória imunológica e da imunidade protetora após COVID-19 e em resposta às vacinas ainda é desconhecida.”

Embora um conhecimento sólido ainda não esteja disponível, os esforços dos imunologistas em todo o mundo durante o ano e meio da pandemia estão começando a dar frutos. Os primeiros trabalhos com dados de pacientes com quase um ano de infecção apontam para uma imunidade protetora por muito tempo. Quanto à vacina, espera-se resultado semelhante.

O primeiro obstáculo para se chegar a certezas nessa área é o tempo, mas também a complexidade da resposta imunológica humana. A resposta defensiva humana possui muitos atores com funções específicas. Entre os agentes responsáveis ​​pela memória imunológica estão os anticorpos produzidos por linfócitos B, linfócitos T auxiliares e citotóxicos.

Se há algo que define a memória imunológica de COVID-19, é a heterogeneidade, diferentes padrões ocorrem em diferentes indivíduos e ao longo do tempo. Mesmo assim, vários estudos, refletidos no referido relato, já avaliaram a memória dos linfócitos T e B com seis meses ou mais, encontraram essa memória entre 70 – 90%.

Outros trabalhos mostram que as células B de memória até aumentam com o tempo, experimentando “maturação de afinidade e expressando anticorpos neutralizantes de maior potencial”. Um estudo com 88 pessoas conclui que mesmo aqueles que superaram a infecção com sintomas leves geram defesas “robustas e duradouras”.

Essa memória ainda permite adaptar a resposta a diferentes variantes do patógeno que inicialmente não são totalmente reconhecíveis pelo sistema imunológico. Um trabalho recente descreve pela primeira vez a presença das chamadas “células plasmáticas de longa vida na medula óssea” onze meses após a infecção que pode durar toda a vida.

Na pendência de mais estudos, com os dados disponíveis até agora, é provável que a memória das células T e B e dos anticorpos persista por anos nas pessoas.

 

Alberto Berga Monge – Madrid, 04 de agosto de 2021.

O Prof. Dr. Alberto Berga Monge é médico veterinário espanhol, professor e colaborador Verakis, professor colaborador da Universidade de Zaragoza, auditor da União Europeia e diretor da AMB Consulting, e escreve para o blog da Verakis.

Fontes: https://www.mscbs.gob.es/profesionales/saludPublica/ccayes/alertasActual/nCov/documento
s/20210520_INMUNIDAD_Y_VACUNAS.pdf

Imagem: mohamed_hassan