31 de dezembro de 2020

DA SEMENTE AO BROTO VERAKIS – PARTE 7

O papel da imprensa na divulgação de informações sobre alimentação e nutrição, e sua influência na saúde, e na percepção do público sobre a ciência da nutrição é muito importante.

Aos poucos percebi que as informações (ou melhor, as comunicações) sobre alimentação e nutrição, veiculadas pela imprensa, nem sempre estavam de acordo com o conhecimento científico e as orientações públicas.

Essas informações do tipo publicitárias ou mesmo aquelas mais estruturadas, jornalísticas, com o objetivo de estimular a aquisição de conhecimentos e provocar mudanças nos hábitos alimentares, por vezes são prejudiciais à saúde dos consumidores.

A quantidade de informações sobre alimentação e nutrição é importante, enquanto o conteúdo, a experiência e o formato são muito diversos: de cartazes a revistas, de ações de conscientização para agentes comunitários a seminários profissionais a reality shows[1]

Como escreveu Serva (2001: 68): “O consumidor está cada vez mais exposto a informações e mensagens sobre alimentação e nutrição, mas, apesar disso, está cada vez mais confuso e se perde no meio informações diversas e divergentes ”.

Há algum tempo o aumento significativo de doenças nutricionais e distúrbios alimentares,  atinge o mundo todo, à medida que as informações continuam se acumulando e os avanços da ciência continuam.

Esses lamentáveis ​​resultados são também consequência das próprias especificidades das ciências dos alimentos, da alimentação e de nutrição, ciências recentes que se posicionam no cruzamento de muitas as outras, o que dificulta sua interpretação.

Os especialistas em nutrição apontam para ela como a causa raiz dessas más divulgações.

Para Gallouin (2001: 5) “Os higienistas (nutricionistas) e depois os endocrinologistas […] desenvolveram amplamente o conhecimento científico sobre as necessidades e metabolismos do corpo humano. Seu discurso nem sempre foi adequadamente coberto pela mídia e compreendido pelo público. Essas imprecisões ainda hoje são responsáveis ​​por equívocos na nutrição humana que é muito difícil tentar corrigir ”.

Day, HG et al. (1970), estudando os primeiros artigos sobre nutrição veiculados na imprensa entre 1922 e 1946, também notaram a evolução das mensagens ao longo do tempo, o que pode causar um sentimento de confusão, até de dúvida, com o público em geral. Primeiro, você precisava comer mais variedades de bons alimentos; depois, você teve que comer menos. Em seguida, classificamos os alimentos em duas categorias: maus e bons (antes, todos os alimentos eram bons). Anteriormente, o açúcar era o inimigo das dietas para perda de peso; hoje, a gordura é o que causa ganho de peso; você tem que comer o mínimo possível e assim por diante. Tudo isso só mostra que na nutrição, como em outras áreas, a ciência está evoluindo.

Juliana T. Grazini dos Santos – Doutora em Informação e Comunicação, Nutricionista, Idealizadora da Verakis.

Fonte: Trechos da introdução à minha tese de doutorado: “A ciência da nutrição difundida para o público em geral na França e no Brasil – O caso da alimentação materno-infantil. Tese orientada por Baudouin JURDANT 

 

[1] Em 2003, no programa “Quero emagrecer” do M6 (emissore francesa), vimos os candidatos aceitarem o desafio que lhes foi proposto para perder peso. Cada candidato tinha seu “coach” e cada “coach” defendia seu próprio método de perda de peso. Uma vez por semana o público podia assistir  a evolução dos tratamentos com trechos da semana dos candidatos e explicações teóricas dos “coachs” sobre o seu método e as atitudes que tinha tomado com o seu candidato. Parecia que estávamos vendo especialistas em uma arena aplicando seus tratamentos às cobaias humanas, e lutando, discretamente, para defender sua doutrina (aqui sua forma de lidar com o sobrepeso ou a obesidade). Mesmo que os méritos de cada tratamento não tenham sido realmente explicados, os apresentadores procuraram entusiasmar o público com belas imagens, tentando divulgar informações científicas. Essas informações eram muito superficiais e em sua maioria generalizadas, sem levar em conta a individualidade de cada “cobaia” e o real interesse da informação pelo público. No final das contas, toda a encenação desse bem elaborado “reality show” parecia servir apenas para divulgar as técnicas de tratamento e os especialistas a elas associados. Parece que o Conselho de Medicina não entendeu imediatamente as questões médicas de tal “show”. Não seria impróprio apresentar os tratamentos ao grande público, mas antes fazer saber que a eficácia do tratamento médico é sobretudo e necessariamente determinada pelo diagnóstico da disfunção e pela determinação das suas causas? Haveria muitos comentários a serem feitos na TV sobre medicina e nutrição! Desde então, a M6 transmitiu 2 outros programas semelhantes, ambos envolvendo apenas um especialista como detentor do conhecimento. Este especialista, Michel Cohen, está no centro das atenções e seus livros vendem como bolos quentes. Parece que ele descobriu a receita mágica para tratar o excesso de peso. Mas não, ele apenas sabia como divulgar algumas observações gerais sobre a ciência da nutrição.

 

Imagem: Aleksandr Kondratov