7 de janeiro de 2021

Como os jovens franceses lidam com as informações das redes sociais e internet

As redes sociais aparecem atualmente como o principal meio de informação de jovens.

Na França, de acordo com um estudo da Médiamétrie (2018), 71% dos jovens de 15 a 34 anos afirmam usar as redes sociais quase que diariamente para obter informações, nos noticiários da televisão (49%), nos flashes das rádios musicais (33 %), ou a imprensa diária, inclusive online (29%).

No entanto as redes sociais são apenas um meio de informação exclusivo para uma pequena minoria desta geração: os jovens dos 15 aos 34 anos utilizam em média 4 meios de informação. Apenas 3% dos jovens de 18 a 24 anos afirmam que obtêm informações apenas por meio das mídias sociais (IFOP, 2017).

Portanto essa nova realidade gera um certo número de preocupações, amplamente veiculadas e debatidas no meio político e na mídia.

O Facebook e o Twitter parecem ser a principal mídia na qual são transmitidos e retransmitidos (ou em que “notícias falsas”, infox), rumores e outros elementos de desinformação produzidos por um certo número de atores mal-intencionados são transmitidos, alguns dos quais operam do exterior (Benkler et al., 2018).

Trabalhos acadêmicos bastante recentes têm vindo a colocar em perspectiva, e até mesmo invalidar essas hipóteses, fornecendo elementos de objetivação precisa no perfil dos usuários mais expostos às “fake-news”(Allcott e Gentzkow, 2017; Guess et al., 2018; Grinberg et al., 2019).

Parece que a idade não é a variável mais discriminante em termos de exposição e compartilhamento de informações, e que os jovens não são os mais vulneráveis ​​a este fenômeno.

Julien Boyadjian, cientista político, Mestre de conferências da Science Po em Lille (França), estudou a relação de alunos de 18 a 22 anos, segundo origem social e a formação, com a informação em redes sociais.

As redes sociais ocupam um lugar central no ecossistema de informações de estudantes. No entanto, os usos sociais associados a este novo meio de informações diferem significativamente entre os públicos.

Numa amostra significativa de jovens das classes trabalhadoras e média, poucos estudantes se encontram expostos a “notícias falsas”.

Ele concluiu que os alunos oriundos da classe trabalhadora são mais desinformados do que mal informados. Em uma estratégia de evasão política, eles poucos relatam os principais títulos da imprensa (ditas de confiança), mas também não são os que mais aderem às mídias que transmitem notícias falsas.

As infox (informações toxicas), como todos os bens de informação considerados demasiado “políticos”, são postos à distância, numa estratégia de contornar a política.

Enquanto navegam na web, esses alunos procuram o burburinho de que todos falam. Esse conteúdo viral serve como moeda de troca, argumento, em discussões comuns – como festas ou eventos esportivos.

Fontes “legítimas” de informação, especialmente as mais politicamente carregadas, também são raramente consultadas, pelos mesmos motivos. Esta baixa exposição às notícias políticas (sejam “verdadeiras” ou “falsas”) é acompanhada por uma atração por bens de informação de um novo tipo, que chamamos de “viral”.

As redes sociais parecem substituir o jornal popular ou a Imprensa regional de seus avós e pais.

Estudantes de origens elitistas são expostos às várias fontes de informação: além da mídia convencional, eles assinam mídias alternativas, páginas de jornalistas amadores ou reconhecidos, e também de cidadãos engajados.

Em última análise, eles estão expostos às fontes de informação mais diversas nas mídias sociais, do que em outras mídias.

Ao contrário dos temores de alguns ensaístas, sua exposição à informação parece, a priori, menos seletiva do que em outras mídias.

Parece que, ao contrário do século passado, o jornal de opinião não desempenha mais esse papel de “guia político” para a juventude politizada (da mesma forma que o apego duradouro a um partido se tornou hoje muito mais raro).

É como se as redes sociais, e mais amplamente a internet, tivessem contribuído para liberalizar o mercado de opinião, sem por tudo isso, é claro, questionar o princípio da dissonância cognitiva: se eles se encontram expostos às informações politicamente diferenciadas.

Os usuários da Internet continuam consumindo e compartilhando as informações que têm mais a ver com suas opiniões.

Este aumento no fornecimento de informações – ou mais justamente essa maior facilidade de acesso à oferta – permite aos estudantes de formações elitistas, e em particular as mais politizadas entre elas, o direcionando para bens de informação “raros”.

Esses alunos gostam de compartilhar informações e opiniões “não ouvidas em todos os lugares”, e que se destacam dos bens de informação valorizados pelo “público em geral”.

“Nós identificamos nas redes sociais a oposição entre classes sociais, instituições de ensino superior e seu desejo de distanciar bens de informação considerados como muito “comum”, e as classes populares e sua atração por “coisas que todo mundo está falando ”. (Julien Boyadjian, 2020)

“Claro, existe entre esses dois pólos opostos do espaço social estudando uma grande variedade de (dis)posições e práticas.” (Julien Boyadjian, 2020)


Fonte: Julien Boyadjian, « Désinformation, non-information ou surinformation ? Les logiques d’exposition à l’actualité en milieux étudiants », Réseaux, n°222, 2020/4.