22 de julho de 2020

As estratégias sociais devem mudar

Passamos por momentos difíceis, que nos obrigaram a pensar em como encontrar um equilíbrio entre saúde e bem-estar econômico ; um dilema delicado por sua própria natureza, que há apenas alguns meses não suspeitávamos que teríamos que enfrentar. Isso se agrava quando se tem necessidade de tomar decisões em ambientes incertos.

A incerteza atual sobre qualquer previsão econômica é alta ao incorporar premissas sobre a evolução da pandemia e o comportamento de consumidores e de empresas.

A ineficiência do mercado de trabalho reflete-se no alto volume de contratos temporários, na alta taxa de desemprego, principalmente entre os jovens, e na persistência do desemprego, com alto número de desempregados de longa duração. As políticas ativas de emprego não funcionam e as agências públicas de emprego dificilmente encontram emprego para os desempregados registrados. O treinamento oferecido aos desempregados não responde a um cenário em que as novas tecnologias terão um peso importante nos empregos que serão criados no futuro.

É em situações de alta incerteza que a confiança da sociedade em suas instituições é mais importante. Uma pesquisa informal sugere que um dos parâmetros que podem estar influenciando o relativo sucesso de alguns países na luta contra a pandemia atual, é, precisamente, o seu capital social, ou seja, o grau de confiança que cada cidadão tem nos outros e em suas instituições.

Nas palavras de Adela Cortina (filósofa espanhola) , os políticos são gestores que devem os meios que têm à disposição para buscar o bem-estar dos verdadeiros protagonistas : os cidadãos.

Nada seria mais importante para o nosso futuro como sociedade, do que a busca daquilo que nos une, o desenho de uma estratégia futura com firmes compromissos de acordos sobre aspectos comumente aceitos, e o estabelecimento de objetivos construídos nos pilares sociais, baseados no reconhecimento da necessária solidariedade transversal e intergeracional.

 

Alberto Berga Monge – Madrid, 22 de Julho de 2020.

O Prof. Dr. Alberto Berga Monge, é médico veterinário espanhol, professor e colaborador Verakis, professor colaborador da Universidade de Zaragoza, auditor da União Europeia e diretor da AMB Consulting, e é dos correspondentes Verakis para acompanhar a evolução do setor dos alimentos durante o desconfinamento europeu.