12 de maio de 2021

Valorização do talento que a pandemia trouxe

O talento tem se manifestado como  um fator fundamental para o progresso das organizações neste século XXI, uma vez que incorpora inteligência e capacidade criativa a eles.

Um valor que ganhou mais força como resultado da pandemia de Covid-19, pois os recursos humanos, resultado de primeira ordem, acima de outros recursos como os naturais, a situaçãodimensão geográfica e econômica, entre outras, para transformar a sociedade para o futuro, para a era pós-Covid-19, mostrou que talento é fundamental.

A chave para esta crise, alguém disse, é não perder capital humano, pois talento é o que
tem de ser a força motriz dos planos de recuperação. Esta estratégia não vai ser
realizado sem as pessoas certas, não apenas para projetar esses planos, mas também para
realizá-los, para os implementar.

No entanto, a capacidade de desenvolver talentos é desigual entre os diferentes de espaços
áreas geográficas,. Aspecto que pode aumentar com a pandemia, pois existe o risco de
que as geografias menos afetadas se recuperem mais rapidamente da crise e atraiam talentos das  áreas menos desenvolvidas.

É verdade que este contexto trouxe novos aspectos como o teletrabalho e a reavaliação dos espaços abertos. Os territórios mais desfavorecidos terão o oportunidade de concorrer de forma importante para o talento, e para isso eles precisam se desenvolver diferentes estratégias para desenvolver talentos como eixo de recuperação.

A estratégia  é propor um esquema basseado nos pontos fortes territoriais em seis pilares: facilitar, atrair, crescer, reter, capacidades técnicas e criar conhecimento.

Existe, como foi afirmado em ocasiões anteriores, um círculo vicioso, pois o nível de renda determina a capacidade de atrair, reter e desenvolver talentos, que, por sua vez, ajuda a obter uma renda maior. E então as diferenças norte-sul tornam-se cada vez mais evidentes.

A diversidade de talentos reside nas diferenças geográficas, mas também dentro das
organizações. O talento é composto por um conjunto de habilidades e atitudes que fazem,
que, ao desenvolver determinada tarefa, obtém-se um excelente resultado. O
o talento está em toda parte.

Uma menção especial ao talento sênior. Freqüentemente, os reajustes de negócios tprivilegiam a idade e a qualificação para reduzir custos com recursos humanos. Mas o talento sênior foi valorizado durante a pandemia, por que são pessoas com muito mais experiência, as mais capazes para lidar com situações difíceis, mantendo um vínculo afetivo e, sobretudo, profissional para além  da relação de trabalho.

As organizações mudam quando há uma percepção de que um problema está na agenda da
alta administração, e é hora de repensar como o relacionamento das organizações com o
talento e refletir de forma diferente em situações como as vividas durante a pandemia.

 

Alberto Berga Monge – Madrid, 12 de maio de 2021.

O Prof. Dr. Alberto Berga Monge é médico veterinário espanhol, professor e colaborador Verakis, professor colaborador da Universidade de Zaragoza, auditor da União Europeia e diretor da AMB Consulting, e escreve para o blog da Verakis.

 

 

Imagem: qimono