21 de outubro de 2020

UMA ANÁLISE HOLÍSTICA DA PANDEMIA

Um artigo recente de Richard Horton, publicado na “The Lancet” diz por que a pandemia deveria realmente ser considerada a partir de conceitos. Um conceito, criado na década de 90, que se refere às patologias convergentes e suas consinergias com epidemias.

R. Horton vai além e  diz que a infecção não pode ser completamente controlada se apenas os parâmetros biológicos forem levados em em consideração e os fatores sociais relacionados não forem atacados, como pobreza, educação e emprego, que determinam a saúde da população.

Como alguém aprendeu que “as doenças nunca vêm sozinhas”, o mesmo acontece com doenças como obesidade, diabetes tipo 2 ou doenças cardiovasculares.

Em consonância com a proposta de Horton, é necessária uma abordagem holística baseada nos princípios da saúde pública. Ver a pandemia Covid- 19 como uma sindemia significa deixar de tratá-la como uma doença infecciosa, e começar a prestar atenção às condições que tornam uma comunidade vulnerável. E isto significa, sem dúvida, ter repercussões importantes ao nível do prognóstico, dos tratamentos e da gestão das políticas de saúde.

A perspectiva da sindemia permite ações e intervenções diferenciadas voltadas para a prevenção. Os dados de saúde pública podem ser usados ​​para implementar políticas sociais que foram deixadas de lado.

Horton disse que “abordar a Covid-19, implica abordar a hipertensão, obesidade, diabetes, doenças cardiovasculares ou respiratórias crônicas, câncer…” que são, junto com as condições sociais, aquelas que estão por trás da sindemia. Não fazer isso aumenta o risco de, no futuro, enfrentarmos novamente uma situação de emergência global de saúde como a atual.

Se o vírus nos obrigou a nos definirmos como sociedade, devemos começar a pensar em como estamos organizados para resolvê-lo. É hora de investir em campanhas de saúde pública para informar aos cidadãos que eles precisam entrar em forma e melhorar sua alimentação, bem como ir para ambientes com menos doenças e maior bem-estar da população.

O vírus se alimenta e cresce exponencialmente graças à outras crises já em curso: sanitária, social e ambiental. Não é um fenômeno novo, há décadas a saúde pública tem trabalhado como uma entidade única na incidência de doenças infecciosas, doenças crônicas não transmissíveis e condições socioeconômicas. Se nos concentrarmos apenas em encontrar vacinas e tratamentos, não resolveremos nada.

 

Alberto Berga Monge – Madrid, 21 de outubro de 2020.

O Prof. Dr. Alberto Berga Monge, é médico veterinário espanhol, professor e colaborador Verakis, professor colaborador da Universidade de Zaragoza, auditor da União Europeia e diretor da AMB Consulting, e é dos correspondentes Verakis.

 

 

Fonte: https://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736(20)32000-6/fulltext

 

Foto : Alexas_Fotos