9 de junho de 2021

Sofrimento da cultura durante a pandemia

“Praticamente todo produto cultural que não esteja estocado em algum tipo de software e transportável para um dispositivo eletrônico conectado à Internet está hibernando há 15 meses”, com essa frase eloquente, um artigo foi recentemente publicado na imprensa nacional. E assim é denotado por diversos estudos internacionais e pelo semanário eletrônico “Cultura e Covid-19” publicado pela UNESCO.

Os dados sobre o impacto da pandemia estão se tornando mais complexos e volumosos a cada semana. Os resultados de pesquisas com governos e grupos da sociedade civil começam a ser publicados dando-nos uma ideia do impacto em diferentes níveis.

A crise de Covid-19 consumiu quase o dobro do aumento dos direitos autorais dos últimos cinco anos, em 12 meses, o aumento no streaming não compensou essas quedas, embora o Netflix e o Spotify tenham crescido significativamente.

Alguns setores entraram em colapso, 89% do “Patrimônio Cultural da Humanidade” foi fechado, a frequência aos museus caiu de 70% em todo o mundo, e 13% dos museus não devem reabrir.

O rock e a música pop ao vivo, com crescimento contínuo, caíram 64% globalmente, a indústria cinematográfica caiu de 74%, 61% das feiras de arte foram suspensas.

Assistir uma exposição no seu celular ou ouvir uma música é impossível para 46% da população mundial.

Muitos artistas tiveram que desistir da arte ou parar de comer. Uma pesquisa da Universidade de Londres em 52 países mostra que 12% dos entrevistados deixaram o mundo da arte e 65% buscaram alternativas de renda.

Mecanismos políticos inovadores para facilitar as medidas fiscais e administrativas foram instauradaos na Austrália e na República da Coréia, o apoio da sociedade civil e do setor privado foi mobilizado nos Estados Unidos para criar fundos de emergência para as artes, música e literatura.

Os apoios aos fundos a nível nacional foram feitos através dos Ministérios da Cultura da Tunísia, Chile, Noruega, Itália, Colômbia ou China.

Fundos de apoio para artista também foram disponibilizados  no México, Irlanda, Polônia, Suíça, França ou Espanha.

“A cultura sempre nos salvou no passado e desta vez não será diferente,” declarou o Ministro da Cultura do México, apoiá-lo é necessário.

Como será o despertar da cultura é a grande incerteza. É provável que haja uma explosão de atividades e produtos culturais tão ampla que a oferta supere a demanda, os grandes nomes terão recursos e popularidade para chamar a atenção, para outros é possível que não haja tanto público e orçamento.

É um ponto de partida para refletir sobre como “reconstruir melhor” nos próximos meses e anos para garantir que a cultura desempenhe um papel central nas políticas públicas de desenvolvimento sustentável, declarou Ernesto Ottone, Subdiretor Geral de Cultura da UNESCO.

A cultura como botão de reinicialização da crise.

 

Alberto Berga Monge – Madrid, 09 de junho de 2021.

O Prof. Dr. Alberto Berga Monge é médico veterinário espanhol, professor e colaborador Verakis, professor colaborador da Universidade de Zaragoza, auditor da União Europeia e diretor da AMB Consulting, e escreve para o blog da Verakis.

 

Imagem: Free-Photos