2 de dezembro de 2020

Responsabilidade versus incerteza

É um grande desafio que se apresenta no momento e o será com muito mais frequência no futuro.

Alguns casos de impacto, como ocorre atualmente com a pandemia de Covid-19, que agora temos que enfrentar, faz com que surja da opinião pública percepções sobre a sociedade de risco na qual estamos inseridos.

Exposto a riscos diversos, complexos e desconhecidos, podemos decidir sobre a aceitação dos mesmos, uma vez que têm sua origem no ambiente tecnológico desenvolvido para dominar a natureza, suas limitações e perigos.

Ora, como não poderia ser de outra forma, a natureza não está dominada e nos lembra com uma força que nos ultrapassa, como agora, com um sério risco sobre o qual é difícil decidir, pois em grande parte da decisão é nossa responsabilidade.

Mas podemos e devemos enfrentar as outras fases da regulação e controle do risco: a da gestão e a das responsabilidades.

Todas as fases que se enfrentam em um ambiente de incerteza típico de riscos.

Sobre as medidas de gestão e superação do risco, pode haver uma disfunção derivada das discrepâncias existentes entre a avaliação técnico-científica e a opinião pública e sua percepção social.

A perícia, tão debatida nos últimos anos, já se legitimou em uma sociedade que percebeu a entidade de risco e criou ações solidárias para desativá-la.

Há uma fase que sempre vem depois a gestão do risco: a das responsabilidades.

As medidas drásticas e excepcionais que estão sendo adoptadas não atingem a todos da mesma forma, tendo um impacto mais grave em alguns sectores econômicos e sociais, em função dos danos causados ​​serão instauradas ações de responsabilidade patrimonial do Estado (existem leis e tribunais para isso).

O fundamento último da responsabilidade patrimonial do Estado é a solidariedade, a igualdade perante os encargos públicos. Uma igualdade que na atualidade está rompida e deverá ser reconstruída, compensando e atendendo adequadamente quem carrega os mais pesados ​​fardos impostos para a proteção da totalidade de um cidadão que não tem que conhecer fronteiras, como a pandemia não as conhece.

A solidariedade não deve apenas prever o combate à Covid-19, mas também na Europa deve estender-se à reparação dos danos derivados de medidas muito nefastas adoptadas em benefício do mais vasto grupo da população, também europeia, para eliminar o risco global de uma pandemia.

O problema  essencialmente é o das decisões das autoridades públicas em situações de reconhecida incerteza científica: como são adotadas e que tipo de responsabilidades podem derivar delas.

Decida-se na incerteza de viver em um mundo com problemas reais, não apenas fictícios.

 

Alberto Berga Monge – Madrid, 02 de dezembro de 2020.

O Prof. Dr. Alberto Berga Monge, é médico veterinário espanhol, professor e colaborador Verakis, professor colaborador da Universidade de Zaragoza, auditor da União Europeia e diretor da AMB Consulting, e é dos correspondentes Verakis.

 

Imagem: andreas160578