8 de April de 2021

Para que escrevemos ?

Você escreve para os outros quando começa a acreditar em si mesmo.
Escrevemos para sair da nossa bolha ou para nos fecharmos.
Escrevemos para nos comunicarmos com o mundo exterior se formos prisioneiros.
Escrevemos para permanecer em nossa privacidade sem ser fechados.
Escrevemos para esquecer nosso mundo, nossa vida, nossa realidade.
Escrevemos para viajar, para compreender.
Escrevemos por curiosidade, escrevemos para saber, para transmitir conhecimento.
Escrevemos para transmitir algo: conhecimento, sentimentos, emoções.
Escrevemos para nos ajudarmos, para nos aproximarmos.
Escrevemos para trazer esperança, para fazer rir, chorar.
Escrevemos para falar, ver, cheirar, ouvir, tocar.
Escrevemos para contar.
Escrevemos por prazer, escrevemos por dever.
Escrevemos para nos rebelar, para nos revoltar.
Escrevemos para orar, para chorar.
Escrevemos para denunciar, para proteger.
Escrevemos quando necessário.
Escrevemos quando não precisamos.
Escrevemos quando queremos.

Todos temos uma razão diferente para escrever que está bem dentro de nós e que muda com o tempo.

A escrita é característica da raça humana.

Escrevemos porque as palavras têm um poder único de nossa espécie que perdura no papel: nos acorrentamos, ficamos atolados em promessas, juramentos que acabam sendo violados. Mas o importante é por quanto tempo podemos nos lembrar disso.

Escrevemos para lembrar, para não cometer os mesmos erros novamente, para aprender com nossos fracassos.

Escrevemos para encontrar a chave que nos libertará de nossas algemas.
Escrevemos para deixar algo de nós mesmos. Algo duradouro.

Escrevemos para não sermos esquecidos. Como biografias, gráficos, homenagens, memoriais ou nomes em lápides.

Escrevemos porque podemos dizer, não importa o idioma, religião, qualidade de expressão, quando escrevemos, temos o mundo em nossas mãos. Somos livres para moldá-lo ao nosso gosto.

Quem não sabe escrever fica em grande desvantagem.

Porque saber escrever é estar em pé de igualdade com os outros. Mas, acima de tudo, escrevemos para mudar. E mudar é ganhar liberdade!

Nestes tempos estranhos escrever é impedir a alienação, é iluminar o pensamento e a reflexão!

 

 

Imagem: Deeezy