3 de março de 2021

Pandemias e o aumento das agitações sociais

“Desde a peste de Justiniano no século VI e a peste negra do século XIV, até a chamada gripe espanhola de 1918, a história está repleta de exemplos de epidemias que têm forte repercussão social: transformam a política, subvertem a ordem social e causam surtos sociais. ”Afirmam Philip Barrett e Sophia Chen em seu trabalho“ Social Repercusions of Pandemics” (IMF Workin Paper WP/21/21).

Uma possível explicação é que uma pandemia “revela as fraturas já existentes na sociedade: a falta de proteção social, a desconfiança nas instituições, a percepção de incompetência ou corrupção dos governos” segundo técnicos do FMI.

Com base na análise de artigos de jornais publicados em 130 países, desde 1985, foi desenvolvido um índice de inquietação social que permite quantificar a probabilidade de uma explosão de protestos em decorrência da pandemia. Os técnicos relacionam os casos de explosões sociais, com 11 mil eventos diferentes ocorridos desde a década de 1980: desastres naturais e epidemias. Os especialistas, usando equações algébricas, descobrem uma relação positiva e significativa entre desastres e explosões sociais.

Como costuma acontecer com os estudos econômicos, a relação entre desastres e protestos é algo que talvez muitas pessoas entendam intuitivamente. O mais curioso é que o estudo revela a relação cronológica, o atraso entre as epidemias e os surtos sociais, meses a dois anos separam o pico da epidemia das rebeliões. A agitação social é alta antes da Covid-19, moderada durante a pandemia e, depois, os surtos surgem novamente. Com algumas exceções, como o movimento Black Lives Matter, “o número de manifestações físicas de agitação social caiu para seu nível mais baixo em cinco anos.”

Outro relatório do FMI intitulado “Como as pandemias levam ao desespero e à agitação social” de outubro de 2020, de Tahsin Saadi e Rui Xu eleva a existência de descontentamento e a possibilidade de explosões sociais para cinco anos após a pandemia. Os surtos de ebola na África Ocidental, entre 2014 e 2016, levaram a um aumento da violência civil de mais de 40% após um ano, e seu efeito na agitação social persistiu por vários anos depois.

A centelha de violência não precisa estar relacionada à pandemia, mas é o catalisador. O primeiro elo é a desigualdade e a percepção da injustiça. Um ciclo vicioso em que o crescimento mais lento, o aumento da desigualdade e a crescente agitação social se reforçam mutuamente.

Alberto Berga Monge – Madrid, 03 de março de 2021.

O Prof. Dr. Alberto Berga Monge, é médico veterinário espanhol, professor e colaborador Verakis, professor colaborador da Universidade de Zaragoza, auditor da União Europeia e diretor da AMB Consulting, e escreve para o blog da Verakis.

 

Leia os artigos

https://www.imf.org/en/Publications/WP/Issues/2021/01/29/Social-Repercussions-of-Pandemics-50041

https://www.imf.org/en/Publications/WP/Issues/2020/10/16/A-Vicious-Cycle-How-Pandemics-Lead-to-Economic-Despair-and-Social-Unrest-49806

 

Imagem: Free-Photos