27 de janeiro de 2021

Os maiores riscos globais são os riscos geopolíticos

Fiel ao encontro anual, o Fórum Econômico Mundial apresentou o Relatório de Risco Global;  relatório que aponta os maiores riscos globais para os negócios segundo a elite global do planeta.

O resultado é que tudo que tem a ver com a natureza e a saúde da Terra é a principal ameaça à prosperidade e ao desenvolvimento econômico. E junto com as mudanças climáticas, as doenças infecciosas sobem de dez lugares.

Com muita precisão, o “Fórum” atribui uma cor a cada conceito e este ano o maior perigo é o verde. “São ameaças existenciais à humanidade”, declara o estudo.

Os mil executivos e altos funcionários que representam as elites não parecem preocupados com a enorme dívida criada para combater a pandemia, que ultrapassa os 14 trilhões de euros em todo o mundo, ou com as bolhas crescentes nos mercados financeiros alimentados pela liquidez: estímulos fiscais e monetários desenfreados sem precedentes.

No encontro de Davos não se considerou que a atual política anticovid não é motivo de preocupação quanto à sua sustentabilidade, pelo menos por enquanto, e de imediato.

Nas cem páginas do estudo não há muitas referências à economia: queda do PIB, desemprego ou novos pobres. No que se refere às desigualdades, preocupa-se o digital, já que 60% dos adultos não possuem competências suficientes e são alertados sobre o impacto no sistema educacional, em particular nas pandemias, a geração da Covid-19, que pode sofrer “grandes decepções”.

O que surge como ameaça para a próxima década são riscos geopolíticos, como o colapso de estados, a ruptura das relações entre países, e até o uso de armas de destruição em massa.

A crise da democracia liberal se destaca junto com a proteção ao meio ambiente, como a grande incógnita dos próximos anos.

A elite de Davos vive em sua própria bolha.

Você pode consultar o estudo pelo https://www.weforum.org/reports/the-global-risks-report-2020

 

 

Alberto Berga Monge – Madrid, 27 de janeiro de 2021.

O Prof. Dr. Alberto Berga Monge, é médico veterinário espanhol, professor e colaborador Verakis, professor colaborador da Universidade de Zaragoza, auditor da União Europeia e diretor da AMB Consulting, e escreve para o blog da Verakis.

 

Imagem: WEF 2021