15 de julho de 2020

O tempo para validar o uso da inteligência artificial para o combate do coronavírus

É necessário tempo para validar algum método que combata uma doença.

Os projetos que estão em desenvolvimento precisam de tempo para criar algoritmos, validar dados e testes de campo.

As iniciativas estão em andamento, mas exigem pelo menos dois meses para serem úteis,

Existem dois campos em que a inteligência artificial e a aprendizagem profunda serão vitais na luta contra os vírus: a medicina e a pesquisa biomédica.

Tudo relacionado à imagem mudará ao se interpretar os « scanners », como aconteceu na China, para determinar o nível e o tipo de pneumonia causada pelo novo coronavírus.

Em alguns países, como a Áustria ou os estados de Nova Jersey e Nova York, o aprendizado por meio da inteligência artificial nos permitiu prever o número de casos e a disseminação em 21 dias. Obviamente, as conclusões ainda não são definitivas ou ainda contam com uma certa margem de erro ; e é apresentado como mais uma variável com a qual pode-se contar no processo de tomada de decisão neste momento de incerteza.

Uma das técnicas que visa melhorar a capacidade de previsão da inteligência artificial é chamada supervisão, que consiste em treinar máquinas com dados não rotulados, sem que eles saibam o que estão enfrentando. Nos próximos anos, o aprendizado supervisionado representa um desafio, especialmente no campo das imagens.

Trabalhar em código aberto incentiva a colaboração e acelera a tecnologia o máximo possível. Compreender a linguagem, inovar em novas técnicas de aprendizagem e responder aos desafios da Covid tornaram-se prioridades atuais.

Em um perspectiva ampla e de bem-estar social, a inteligência artificial ajuda no diagnóstico, terapia e prevenção, bem como no gerenciamento do risco de contágio de pacientes infecciosos. No caso do Covid-19, a inteligência artificial está focada em diferentes áreas:

– Aceleração da investigação.

– Análise, controle e previsão de como a pandemia evolui, alerta precoce da pandemia e aplicativos para o controle do movimento de pessoas.

– Criação de novas estratégias, métodos e medicamentos.

Para o futuro poderemos tirar proveito do curso acelerado de preparação para a ação contra ameaças globais à saúde em que estamos imersos, e também abordar questões como a recuperação econômica após a pandemia.

 

Alberto Berga Monge – Madrid, 15 de Julho de 2020.

O Prof. Dr. Alberto Berga Monge, é médico veterinário espanhol, professor e colaborador Verakis, professor colaborador da Universidade de Zaragoza, auditor da União Europeia e diretor da AMB Consulting, e é dos correspondentes Verakis para acompanhar a evolução do setor dos alimentos durante o desconfinamento europeu.