30 de December de 2022

O agro europeu em 2023

O relatório sobre as perspetivas agrícolas para a próxima década, fruto da nova Política Agrícola Comum (PAC) que se inicia a 1 de janeiro de 2023, com 28 planos estratégicos aprovados e com base nas atuais incertezas, estima uma quebra na produção de grande parte da produção agrícola.

A União Europeia (UE), de acordo com o relatório apresentado pelo Comissário para a Agricultura e Desenvolvimento Rural, antecipa que a área de cereais seja reduzida, o número de hectares será reduzido para 57 milhões, sobretudo cereais e milho. No entanto, a UE continuará a ser um exportador líquido de trigo e cevada.

O consumo de cereais crescerá 3,9%, embora o destinado à produção de ração diminua (9%).

A produção de oleaginosas atingirá uma produção superior a 33 milhões de toneladas e onde haverá aumento de rendimentos.

A produção agrícola diminuirá em muitas das culturas devido, como dissemos, a uma menor procura de alimentos (culturas forrageiras, cereais e oleaginosas), pelo contrário, a produção de leguminosas aumentará.

A adoção de práticas agrícolas mais sustentáveis ​​afetará o setor lácteo que reduzirá sua produção em 2-4%, porém a UE será o maior fornecedor mundial de produtos lácteos.

Saiba mais sobre a Jornada de Visitas Técnicas Alimentos, Alimentação e Sustentabilidade da Verakis.

Igual impacto terá lugar no setor das carnes com uma redução de consumo de 15Kg por habitante, sendo a bovina a mais afetada e a suína (com redução anual de 1%) substituída em parte pela aviária, a única que aumentou nos censos e no consumo.

A menor densidade pecuária (prevê-se, entre outros, o desaparecimento de quase três milhões de vacas) provocará uma redução dos gases com efeito de estufa.

A UE permanecerá autossuficiente na maioria dos produtos e poderá gerar excedentes, exceto frutas tropicais, soja e arroz.

A Comissão não prevê que se mantenham as atuais elevadas taxas de inflação, se alerta para um aumento dos preços recebidos pelos agricultores, dos preços ao consumidor e de um consumidor que muda os seus hábitos alimentares.

Alberto Berga Monge – Madrid, 28 de dezembro de 2022.

O Prof. Dr. Alberto Berga Monge é médico veterinário espanhol, professor e colaborador Verakis, professor colaborador da Universidade de Zaragoza, auditor da União Europeia e diretor da AMB Consulting, e escreve para o blog da Verakis.

Fonte: https://agriculture.ec.europa.eu/data-and-analysis/markets/outlook/medium-term_en

Imagem: Peggy_Marco