9 de November de 2022

Evidências científicas e alimentação nutrição

A credibilidade no campo da ciência e da saúde e, portanto, da nutrição, depende, como não poderia deixar de ser, das evidências em que se baseiam. Evidências em quantidade, mas acima de tudo, em qualidade em relação ao fenômeno e ao meio onde podem ser reproduzidos.

O mais razoável seria promover uma colaboração generosa e leal entre todos os agentes no quadro da ética profissional e tendo como meta a saúde e o bem-estar da população.

As doenças crônicas não transmissíveis, como doenças cardiovasculares, câncer, diabetes tipo 2 e obesidade são uma das principais causas de incapacidade, saúde precária e morbidade e mortalidade em todo o mundo. Nesse sentido, inúmeros estudos científicos têm mostrado como a qualidade nutricional está entre os fatores determinantes no desenvolvimento e prevenção dessas doenças. O que significa que manter uma alimentação nutricionalmente adequada, segura e saudável é essencial para a saúde hoje e amanhã.

No entanto, tendo em conta que os usos e costumes da população estão em constante mudança, é necessário um contínuo avanço do conhecimento científico que permita a revisão e atualização periódica das recomendações nutricionais para que se baseiem nas melhores evidências disponíveis e se adaptem a um ambiente em mudança.

As primeiras investigações nesse sentido se concentraram em alimentos ou nutrientes específicos e, posteriormente, como a dieta inclui a ingestão de diferentes alimentos, que podem ter efeitos moduladores, sinérgicos ou antagônicos, o estudo dos padrões alimentares tornou-se mais relevante.

Os padrões alimentares proporcionam uma melhor compreensão dos hábitos alimentares da população, constituindo uma ferramenta valiosa para identificar e desenvolver estratégias eficazes para a prevenção e redução dos problemas associados à alimentação inadequada.

Atualmente essas análises se completam com o estudo de diferentes hábitos de vida saudáveis, como manter uma hidratação adequada, praticar atividade física ou saúde emocional.

Não só os alimentos que ingerimos têm impacto na nossa saúde, mas também as técnicas e utensílios culinários utilizados na preparação e conservação desses alimentos desempenham um papel na dieta e podem afetar a qualidade nutricional, as qualidades organolépticas ou a possível transferência de substâncias indesejáveis. substâncias.

Este crescente interesse por uma alimentação saudável e sustentável implica a escolha de alimentos que fazem parte de diferentes padrões alimentares, como a dieta mediterrânica, influenciando a procura de produtos agrícolas. biodiversidade e altos valores socioculturais dos alimentos.

Alberto Berga Monge – Madrid, 09 de novembro de 2022.

O Prof. Dr. Alberto Berga Monge é médico veterinário espanhol, professor e colaborador Verakis, professor colaborador da Universidade de Zaragoza, auditor da União Europeia e diretor da AMB Consulting, e escreve para o blog da Verakis.

Imagem: New Africa