28 de May de 2020

Debates Pós-Pandêmicos

A Associação Internacional de Políticas de Saúde realizou, em meados de março de 2020, uma reunião com o objetivo de analisar a resposta que os países estavam dando à pandemia de Covid-19.

O encontro internacional organizado pelo International Journal of Health Services também tinha a pretensão de ajudar a resolver os problemas sociais criados pela pandemia.

Uma série de conclusões emergiu deste encontro, algumas conhecidas e destacadas em outros fóruns e publicações, que devem ser debatidas após a remissão da crise da saúde.

Aqui abordo três delas.

  • A primeira foi que o início da pandemia era previsível e havia sido relatado. Apesar disso, não foram apenas medidas tomadas, mas em muitos países, foram feitos esforços para deteriorar os sistemas públicos de saúde através de cortes no orçamento e privatizações. As evidências científicas mostram o impacto dessas políticas na disponibilidade e qualidade dos serviços de saúde, com a consequente deterioração da qualidade de vida de amplos setores sociais e o aparecimento de “doenças do desespero” (depressão, suicídio, alcoolismo, etc.). Essas políticas foram criadas, em muitos casos, com a aquiescência ou emanação do FMI, Banco Mundial, Banco Central Europeu, entre outras organizações multilaterais.
  • A segunda conclusão dos especialistas é que havia recursos para sua contenção, o problema era a desigualdade na disponibilidade de recursos e a falta de vontade política para eliminar as condições que causavam a pandemia. Por outro lado, esse era o objetivo neoliberal predominante. Especialistas se perguntavam quais forças econômicas e financeiras dominam os estados e/ou instituições multilaterais.
  • E a terceira é que a cooperação necessária entre os Estados para compartilhar recursos e conhecimentos, priorizando o bem-estar social, é fraca embora essa ação não deva levar ao enfraquecimento dos Estados, ao contrário do que alguns pensadores comentaram.

Onde houve um estado com liderança, a epidemia foi melhor controlada. Em uma situação de guerra, concluíram, o Estado deve obter os materiais de que precisa confiscando e até nacionalizando as indústrias, se necessário.

A pandemia deve mudar a correlação de forças dentro dos estados em busca do bem comum, uma resposta coletiva baseada no conhecimento contra os interesses da minoria e do populismo.

E não vamos esquecer que há outra crise planejada: a do clima.

Alberto Berga Monge – Madrid, 28 de maio de 2020.

O Prof. Dr. Alberto Berga Monge, é médico veterinário espanhol, professor e colaborador Verakis, professor colaborador da Universidade de Zaragoza, auditor da União Europeia e diretor da AMB Consulting, e vai ser um dos correspondentes Verakis para acompanhar a evolução do setor dos alimentos durante o desconfinamento europeu.