14 de agosto de 2020

Comunicação por um mundo mais responsável

“Comunicação por um mundo melhor”? “Comunicação para um mundo mais responsável”? Mais pró-ativo. “Comunicação Responsável” simples e eficaz ?

Em todo caso, o que está em jogo é o compromisso dos comunicadores, a forma como podem agir, todos os dias, para ajudar a construir o mundo de amanhã. Um mundo mais amigo do ambiente, mais inclusivo e mais justo.

Seguem as dicas de ASSAËL ADARY para a revista INfluencia.

Os três pilares da comunicação responsável

A definição de comunicação intrinsecamente responsável é baseada em três pilares: o desenho eco-socioambiental de ações e ferramentas, a integração dos stakeholders ao longo do processo, e a busca constante pela sinceridade das mensagens desde a sua concepção. 

A comunicação torna-se realmente uma força motriz quando ela própria se torna “responsável” e não mais apenas um retransmissor de mensagens responsáveis.

 

Todas as palavras contam

 Quando se trata da eco-socio concepção, todas as palavras contam.

A comunicação deve, em sua ação, reduzir sua pegada de carbono (e compensar tanto quanto possível), mas também garantir coletivamente um setor saudável e um clima de negócios pacífico. Pagar seus fornecedores (obviamente autônomos) de maneira correta e em prazos curtos é, por exemplo, o primeiro dos compromissos.

O risco de desconsiderar as duas dimensões é um pouco como uma caixa de leite orgânico cuja produção não permitiria ao agricultor viver adequadamente.

 

Comunicação que escuta

 A a interação constante com os stakeholders afeta o relacionamento com os fornecedores e também o relacionamento com todos os públicos da empresa.

Comunicação responsável é comunicação que escuta!

O conteúdo das mensagens é sem dúvida o mais fascinante ; catalisa todas as questões de influência, mas também de inclusão, que são o sal da profissão de comunicador.

A observação inicial é simples, até simplista: o comunicador cria e divulga mensagens, essa é a sua função. Pode, portanto, em sua própria escala, optar por mensagens responsáveis ​​que ajudem a mudar comportamentos, desafiar clichês, lutar contra estereótipos, etc.

 

Fale sem jargão, tenha uma linguagem clara

 Outra “potência” do comunicador é falar com simplicidade, sem jargões, para ser compreendido por todos. Os promotores da “linguagem simples” – linguagem simples nos países anglo-saxões – entenderam isso bem. Aqui, novamente, os benefícios para a sociedade são imensos.

Concretamente, o comunicador pode então se tornar o ativista do consumo mais frugal, em vez de incitar ao consumo excessivo. O comunicador também está na vanguarda para promover a comunicação não sexista.

 

Uma caixa de ferramentas e indicadores de medição disponíveis

Para a comunicação responsável existem ferramentas, algumas há mais de 10 anos: cartas éticas, o kit de comunicação não sexista, a versão da norma ISO 26000 100% dedicada à comunicação, dentre outros.

A caixa de ferramentas do comunicador responsável está cheia, só falta o desejo e a vontade de agir.

A comunicação está em um momento chave hoje.

Depois da “Tech for Good”, “Invest for Good”, “Business for Good”, surge a “Com for Good.

 

Fonte: http://www.influencia.net/fr/actualites/media-com,observatoire-influencia,com-for-good-good-for-com,10446.html