19 de maio de 2021

As patentes que freiam a imunidade coletiva

A tensão entre as empresas farmacêuticas e alguns estados e organizações não governamentais sobre a aplicação do sistema de patentes para medicamentos não é nova e é, em muitos casos, recorrente.

Desde o surgimento da pandemia causada pela Covid-19, o debate sobre a possibilidade de modificar temporariamente o sistema de patentes em relação a vacinas, tratamentos e dispositivos médicos desenvolvidos para combater a pandemia foi reaberto.

Por um lado, vários países da Organização Mundial do Comércio (OMC) defendem uma isenção temporária dos direitos de propriedade intelectual relacionados à Covid-19, conforme refletido no relatório IP / C / W / 669 da Índia e África do Sul, onde se relata que  os estados afirmam que a isenção proporcionaria uma solução global, rápida, aberta e automática. O que evitaria a atual desigualdade de acesso, como a de que 82% da produção de vacinas da Pfizer foi reservada por 14% da população mundial, e tem sido apoiado por mais de 100 países.

Por outro lado o setor farmacêutico é favorável à manutenção do sistema de patentes e concessão de licenças voluntárias, a exemplo da Moderna, que comunicou seu compromisso de fazer valer os direitos de patente de sua vacina durante o período de pandemia. O direito internacional, como o de muitos países como a Espanha, regula licenças compulsórias, países como Canadá, Alemanha ou Hungria modificaram recentemente sua legislação com o mesmo fim.

É claro que se trata de um problema cuja complexidade exigirá soluções inovadoras, com base em ferramentas existentes ou disponíveis, e dadas as dimensões e complexidade da situação atual, a isenção que se propõe não é a solução definitiva quer, conforme reconhecido pelos estados que o propõem.

Não são, entendemos, diferenças irreconciliáveis, e que uma negociação baseada em interesses, e não em posições, pode levar a uma solução consensual que reúna os interesses em jogo. Vários fatores serviriam de aceleradores dessa necessária negociação, como a de que estados desenvolvidos passam a aplicar o regime de licenciamento compulsório de interesse público que funcionaria como um gatilho para a busca de uma solução global para a pandemia.

Não controlaremos a pandemia se não avançarmos em direção a uma distribuição mais justa de vacinas.

A saúde global exige isso. A vacinação é uma ferramenta poderosa para enfrentar a crise econômica, social e de saúde. As características de excepcionalidade, de equidade exeqüível e de interesse para a saúde pública a legitimam e assim alcançam o objetivo da vacinação rápida em escala global.

Alberto Berga Monge – Madrid, 19 de maio de 2021.

O Prof. Dr. Alberto Berga Monge é médico veterinário espanhol, professor e colaborador Verakis, professor colaborador da Universidade de Zaragoza, auditor da União Europeia e diretor da AMB Consulting, e escreve para o blog da Verakis.

 

Imagem: Caniceus