15 de maio de 2020

A Espanha se afasta da imunidade eminente

A Espanha está conduzindo um estudo soro-epidemiológico longitudinal para determinar a prevalência da atual pandemia de COVID-19, para a qual determinará os anticorpos contra o vírus. A informação é de vital importância para a adoção de medidas contra a má conduta da população.

Até agora, tínhamos abordagens indiretas, como as que emanavam do trabalho “adaptando o quebra-cabeça: uma estimativa rápida do número de pessoas infectadas com COVID-19 na Espanha de fontes indiretas”, que colocavam o número de pessoas infectadas em 1,23 milhão de espanhóis no final de Abril deste ano.

Os resultados a que nos referimos correspondem à primeira rodada do estudo (27 de abril a 11 de maio) dos três planejados que permitirão observar a evolução temporal da pandemia. O estudo preliminar pode ser consultado no site do Ministério da Saúde da Espanha.

A prevalência estimada de anticorpos IgG contra o vírus na Espanha é de 5%, com uma taxa de confiança de 95%, sendo muito semelhante entre homens e mulheres. Em relação à idade, a prevalência é maior que 5% naqueles com mais de 40 anos de idade.

Da mesma forma, a proporção de positivos é maior nos moradores das grandes cidades (mais de 100.000 habitantes), onde atinge um valor de 6,4%. Embora a prevalência nacional seja, como dissemos, em 5%, há uma variabilidade territorial acentuada, sendo as áreas localizadas em torno de Madri as áreas próximas a Madri, com uma prevalência em torno de 10%. No caso dos sintomas relacionados à COVID-19, observa-se uma prevalência de 43% naqueles que apresentaram anosmia (perda parcial ou total do olfato).

Assim, na pendência dos resultados que nos permitem ver a evolução ao longo do tempo, cerca de 2,2 milhões de espanhóis foram afetados pela infecção, o que está longe de obter a desejada “imunidade do rebanho” e ainda torna a população sensível a ser afetada.

 

 

Alberto Berga Monge – Madrid, 04 de maio de 2020.

 

O Prof. Dr. Alberto Berga Monge, é médico veterinário espanhol, professor e colaborador Verakis, professor colaborador da Universidade de Zaragoza, auditor da União Europeia e diretor da AMB Consulting, e vai ser um dos correspondentes Verakis para acompanhar a evolução do setor dos alimentos durante o confinamento europeu.

 

Imagem de Arek Socha por Pixabay