11 de dezembro de 2020

A doação de alimentos, um ato solidário.

A doação de alimentos é uma das estratégias para evitar  a fome causada pelas  mudanças drásticas e repentinas, causadas pela pandemia de Covid-19, principalmente na esfera social e econômica.

As medidas de confinamento, fechamento do comércio e atividades ditas não essenciais, atingiram a renda e a capacidade de aquisição de alimentos de muitos lares, no mundo inteiro.

Com o aumento no número de desempregados a pandemia vem afetando, do ponto de vista financeiro, social e emocional, principalmente, as classes mais vulneráveis.

Neste contexto um dos direitos básicos do ser humano está sendo ameaçado: o da alimentação.

Segundo Tatiana Coura Oliveira, em artigo publicado no Caderno de Saúde Pública (2020), o isolamento social culmina na restrição ao acesso aos alimentos de qualidade e em quantidade suficiente.

Por outro lado, parte da população passou a adquirir produtos em demasia. Isso porque acreditaram na necessidade de estocagem, temendo a penúria de alimentos dentro e fora de suas casas.

Tatiana Oliveira menciona também  que a aquisição de suprimentos além do necessário pode promover o desabastecimento precoce do segmento, fator que afetaria toda a população.

Outro problema que dificulta o acesso aos alimentos é o desperdício, que vai além de jogar sobras de comida no lixo ou deixar um produto passar da validade.

De acordo com dados publicados pela FAO – Food and Agriculture Organization (2020), o desperdício tem suas raízes desde a escolha das sementes para plantio, passando pelo manuseio, processamento, transporte, armazenamento, distribuição e consumo, ou seja, na cadeia alimentar toda.

Para reduzir os impactos do desperdício as mudanças podem também ser implementadas por cada um de nós, com a modificação dos hábitos de consumo.

A compra consciente de mantimentos, ou seja, comprar apenas o essencial, o uso integral dos alimentos (aproveitar partes comestíveis menos usuais como cascas, talos, sementes, etc.) e a compostagem, quando se pode, também são ações importantes para diminuir o desperdício de alimentos no ponta da cadeia.

Além das ações individuais, também faz-se necessário que os governos ajam para regulamentar a produção, transformação e distribuição de alimentos de maneira a reduzir ao máximo o desperdício de alimentos.

Um grande passo já foi dado no Brasil com a aprovação da lei 14.016, de 23 de junho de 20203, que permite que estabelecimentos de alimentos e bebidas doem excedentes de alimentos próprios para consumo para pessoas carentes.

Apesar de algumas críticas que possam ser atribuidas a esta lei, ela tem o mérito de incentivar que os estabelecimentos não joguem comida no lixo.

Outro exemplo é a lei francesa, aprovada em 2016, que obriga supermercados,  restaurantes e fabricantes, a doar, para bancos de alimento e ONGs, alimentos próximos da data de vencimento, ou que não foram vendidos mais ainda são próprios para consumo. Não se pode jogar comida no lixo! E o descumprimento desta “norma” pode acarretar 2 anos de prisão e multa de mais de 3 mil euros.

Devido à atual crise percebe-se que há alta na demanda pela doação de alimentos.

A FMI – The Food Industry Association (2020) sugere que sejam feitas parcerias entre restaurantes e outras organizações (como bancos de alimentos, por exemplo) para que a as doações de alimentos estejam de acordo também com parâmetros de segurança alimentar.

 

Leticia Fernandes Negreiros

 

Leticia Fernandes Negreiros é aluna do curso de graduação em Tecnologia em Gastronomia do Centro Universitário Senac Campos do Jordão, escreveu este texto como uma atividade da matéria Estudos Contemporâneos de Gastronomia e foi escolhido para publicação no site da Verakis.

 

 

Fontes:

OLIVEIRA, Tatiana Coura; ABRANCHES, Monise Viana; LANA, Raquel Martins. (In) Segurança alimentar no contexto da pandemia por SARS-CoV-2. Cadernos de Saude Publica, v. 36, p. e00055220, 2020. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/csp/v36n4/1678-4464-csp-36-04-e00055220.pdf>. Acesso em: 20 de out. de 2020.

FAO (Food and Agriculture Organization of the United Nations). July 2014. Food Losses and Waste in Latin America and the Caribbean. Disponível em: <http://www.fao.org/3/a-i3942e.pdf/>. Acesso em: 20 de out. de 2020.

LEI 14.016, DE 23 DE JUNHO DE 2020. Dispõe sobre o combate ao desperdício de alimentos e a doação de excedentes de alimentos para o consumo humano. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2019-2022/2020/Lei/L14016.htm> Acesso em nov. 2020.

LOI n° 2016-138 du 11 février 2016 relative à la lutte contre le gaspillage alimentaire. Disponível em: <https://www.legifrance.gouv.fr/jorf/id/JORFTEXT000032036289/> Acesso em dez. 2020.

The Food Industry Association (FMI) – Guidance for the Food Industry: Coronavirus Outbreak III. Suggested Business Practices. April 10, 2020. Disponível em: <https://www.fmi.org/docs/default-source/coronavirus/food-industry-suggested-business-practices—3.pdf>. Acesso em: 20 de out. de 2020.

 

Imagem: detapo